Sem politicagem

Rodrigo Lorenzoni *

Em meio a todo transtorno causado pela pandemia da covid-19 (novo coronavírus) e dos esforços das autoridades em mitigar os efeitos junto à sociedade, comecei a observar atentamente os movimentos de parte da esquerda brasileira. Fazer uso político de um tema tão sensível e grave deveria merecer não só o meu repúdio, mas também de boa parte da sociedade.

Ouvir o ex-presidente, Lula dizer que é preciso cuidar dos desempregados, quando ao fim do governo do Partido dos Trabalhadores (PT) tínhamos - como resultado da catástrofe promovida por eles na administração pública - mais de 12 milhões de cidadãos desempregados é um deboche.

Estiveram à frente do governo federal, numa coalizão à base do que se conhece hoje como mensalão, e não se preocuparam em investir os R$ 33 bilhões gastos com a Copa do Mundo, na construção de hospitais, unidades de tratamentos intensivos ou na compra de respiradores, que hoje - por óbvio - fazem falta.

 Quando Lula, Dilma e sua turma na Petrobras decidiram gastar quase R$ 4 bilhões do dinheiro dos brasileiros na refinaria de Pasadena, ninguém pensou que esse recurso faria falta no Sistema Único de Saúde (SUS).

Parece que essa esquerda que tenta usar o coronavírus com fins políticos esqueceu que foi através do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com dinheiro público, que o PT financiou (através da Odebrecht) a ditadura cubana, colocando recursos dos nossos impostos no Porto de Mariel. Em câmbio atual, foram mais de R$ 3 bilhões destinados à ditadura dos irmãos Castro.

Fiz um pequeno apanhado histórico para tentar lembrar a todos que o momento é de foco no combate a esta pandemia que está, infelizmente, nos afastando do convívio social. Mas sobretudo para alertar que as vozes sombrias do atraso vão querer usar inclusive a morte das pessoas para obter ganhos pessoais e políticos.

Que possamos concentrar energia em superar esse momento, atentos ao que as autoridades públicas e sanitárias nos recomendam. Façamos nossa parte enquanto sociedade e logo ali na frente, em um futuro não muito distante, possamos voltar a discutir propostas e soluções para a saúde pública, sem usar a vida das pessoas, como querem alguns.

* Rodrigo Lorenzoni é deputado estadual e presidente do Democratas no Rio Grande do Sul.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!