Senadores do PT, PSB e Rede desencorajam atos contra Bolsonaro no domingo

Líderes de diferentes partidos emitiram uma nota desencorajando que a população vá às ruas neste domingo (7), em meio à pandemia de covid-19. O grupo considera legitima a manifestação contra o presidente Jair Bolsonaro, mas acredita não ser o momento para realizar atos de rua, já que o Brasil enfrenta números crescentes de infecção e morte por covid-19.

>Centrão emplaca novo secretário do Ministério da Saúde

"Bem certo que a organização de setores da sociedade aqueceu nossos corações de esperança, na certeza de que o Brasil já identificou que a política da presidência da república tem sido devastadora ao país e aliada do coronavírus", afirmam os líderes em nota, pedindo o adiamento das manifestações nas ruas.

A nota assinada pelo líder da minoria do Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP); líder do Cidadania, Eliziane Gama; do PDT, Weverton (MA); do PSB, Veneziano Vital do Rêgo (PB); do PSD, Otto Alencar (BA); e o vice-líder do PT, Jaques Wagner; foi lida na sessão remota do Senado nesta quinta-feira (4).

Na manifestação, eles defendem que o momento é de se redobrar os cuidados e fortalecer as medidas de isolamento social. O Brasil, neste momento, é o segundo país no mundo com maior registro de casos confirmados (614.941) e o terceiro país em registro de mortes (34.021) em decorrência da doença. Nas últimas 24h o Brasil foi mais uma vez o país que registrou mais mortes diárias.

"Nosso pedido parte da avaliação de que, não tendo o país ainda superado a pandemia, que agora avança em direção ao Brasil profundo, saindo das capitais e agravando nos interiores, precisamos redobrar os cuidados sanitários e ampliar a comunicação com a sociedade em prol do distanciamento social", diz a nota.

Veja a nota na íntegra:

Nota dos Líderes Partidários do Senado Federal em defesa da VIDA e da DEMOCRACIA”

Os líderes dos diferentes partidos do Senado Federal, a saber a Rede Sustentabilidade, o PSB, o PDT, o Cidadania, o PSD e o PT, vem através desta nota desencorajar os brasileiros que, acertadamente, fazem oposição ao Sr. Jair Bolsonaro a irem às ruas nesse próximo domingo.

Nosso pedido parte da avaliação de que, não tendo o país ainda superado a pandemia, que agora avança em direção ao Brasil profundo, saindo das capitais e agravando nos interiores, precisamos redobrar os cuidados sanitários e ampliar a comunicação com a sociedade em prol do distanciamento social.

Bem certo que a organização de setores da sociedade aqueceu nossos corações de esperança, na certeza de que o Brasil já identificou que a política da presidência da república tem sido devastadora ao país e aliada do Coronavírus. Adiaremos à ida às ruas, pelo bem da população, até que possamos, sem riscos, ocupá-las, em prol da população.

Ademais, observando a escalada autoritária do governo federal, devemos preservar a vida e segurança dos brasileiros, não dando ao governo aquilo que ele exatamente deseja, o ambiente para atitudes arbitrárias.

Entendemos, portanto, que ainda não é o momento, em respeito às famílias de vítimas do Coronavírus e também daqueles que até hoje tem respeitado e com razões, baseado nos melhores estudos científicos, o isolamento como a melhor alternativa de combate à Covid-19. Continuaremos firmes na oposição das mais diversas formas que a situação pandêmica nos permite.

Assinam,

Randolfe Rodrigues, líder da Oposição e da Rede Sustentabilidade do Senado Federal.

Eliziane Gama, líder do Cidadania no Senado Federal.

Weverton Rocha, líder do PDT no Senado Federal

Jaques Wagner, vice-líder do PT no Senado Federal.

Veneziano Vital do Rego, líder do PSB no Senado Federal.

Otto Alencar, líder do PSD no Senado Federal.

>Pazuello exonera responsáveis por nota técnica sobre aborto legal na pandemia

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!