Pazuello exonera responsáveis por nota técnica sobre aborto legal na pandemia

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, exonerou nesta quinta-feira (4), os responsáveis por uma nota técnica que denfende a continuidade de programas públicos de saúde da mulher como orientações sobre aborto e métodos contraceptivos, mesmo durante a pandemia. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União.

Flávia Andrade Nunes Fialho deixa, portanto, o cargo de Coordenadora de Saúde das Mulheres, e Danilo Campos da Luz e Silva o posto de Coordenador de Saúde do Homem. Ambos são membros da coordenação-geral de Ciclos da Vida, que faz parte da secretaria de atenção primária à saúde do próprio Ministério.

> Centrão emplaca novo secretário do Ministério da Saúde

Maria Dilma Alves Teodoro, diretora-substituta do departamento de Ações Programáticas Estratégicas do ministério também assinou a nota, mas não consta entre os funcionários exonerados. O documento foi divulgado em um sistema interno pela pasta e encainhado a estados e municípios.

A nota  (veja aqui a íntegra), com data do dia 1 de junho, reverberou nos meios bolsonaristas e o próprio presidente Jair Bolsonaro chegou a afirmar que se tratava de uma “minuta de portaria apócrifa sobre aborto que circulou hoje pela internet”.

A nota, no entanto, levava a assinatura dos coordenadores agora exonerados das funções. Mais cedo, após a pressão do presidente, o ministério tirou do ar o conteúdo.

O texto referendava estudos da Organização Mundial da Saúde e atentava para o estado crítico da saúde das mulheres diante da pandemia. "Ainda não é possível definir quais serão os reais impactos e consequências da crise causada pela COVID-19 para a saúde das mulheres, em seus vários estágios do curso de vida, no cenário brasileiro. Projeções internacionais estimam que aproximadamente 47 milhões de mulheres em 114 países de baixa e média renda poderão não ter acesso aos contraceptivos e, com isso, ser possível ocorrer mais de sete milhões de gravidezes não planejadas entre adolescentes e mulheres", diz o documento.

Em outro trecho, a recomendação dos técnicos é de que são "necessários todos os esforços possíveis, utilizando as medidas de redução de disseminação do vírus, para evitar a interrupção de ações educavas, orientações, consultas e dispensação de contraceptivos, e todos os serviços essenciais a SSSR, sob o risco de causar danos importantes e irreparáveis à saúde integral das mulheres."

 

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!