Congresso em Foco

Colunistas

Locais de trabalho que parecem campos de guerra

24.09.2020 07:30 5
Atualizado em 10.10.2021 16:57

Publicidade

5 respostas para “Locais de trabalho que parecem campos de guerra”

  1. Rodrigo Homer disse:

    Aqui no Brasil não fica atrás. E o pior é ouvir pobre entrando na onda e criticando a Justiça do Trabalho, por exemplo…num país onde volta e meia encontramos pessoas em condições de trabalho análogas à escravidão.

    Por aqui, adoram comparar com os EUA, principalmente. O trabalhador aqui, segundo os “liberais” de plantão, possuem muitos direitos e pesam muito para a bondosa empresa fazer o favor de pagá-los. Nos EUA não tem FGTS, férias, décimo terceiro nem nada disso. Mas eu acho que a comparação deve ser feita de forma completa. Paguem o salário de um trabalhador norte americano aqui, que eu tenho certeza de que muita gente não vai fazer questão de FGTS, décimo terceiro e etc. Agora, num país onde o salário mínimo é R$ 1.045,00, o equivalente a menos de 200 dólares na cotação atual e tem empresa que acha que tá fazendo favor? Tenha a santa paciência…

  2. Valdemir Jorge Santos disse:

    Ainda cito o exemplo de trabalhadoras norte-americanas que trabalham em granjas, que denunciaram que tinham que trabalhar de fraldas porque não lhes davam tempo para ir ao banheiro. O caso dos socorristas parece destonar dos outros casos, aonde eles parecem ser os vilões da história, mas a gente tem que considerar que os turnos de trabalho tem que prever o tempo de descanso alternado em caso de médicos, bombeiros, socorristas, etc… É sempre mais fácil culpar o lado mais fraco, no caso o trabalhador…

    • Rodrigo Homer disse:

      Por isso que é recorrente hoje, aqui no Brasil, o pensamento de que a culpa pelos males da economia são os trabalhadores. É o trabalhador que ganha muito, que tem muitos direitos, que cria caso com a “santidade” que é a empresa onde trabalha…e o mais interessante é atacarem a justiça do trabalho num país onde sempre estão achando pessoas em condições de trabalho análogas à escravidão….

      • Valdemir Jorge Santos disse:

        Sim, é verdade. Na verdade essa conversa-mole neo-liberal já é antiga. Me lembro quando eu era guri, no começo das elelções livres após o fim da ditadura, a conversa era a mesma na boca dos “filhotes da ditadura”, como o Brizola os chamava, os políticos que descendiam da antiga Arena, que depois virou PDS. E, quando a gente acha que tudo isso tá superado, volta tudo de novo, no país que nunca muda…

        • Rodrigo Homer disse:

          E o que é pior é que tem gente que vai se ferrar ainda mais e bate palmas pra esses papos. Vai entender.

          Por isso que eu digo que algumas pessoas não podem ver ninguém com chapéu de cowboy que já relincham e dão coice…se caírem de quatro vai ser duro de voltar a andarem sobre duas pernas, kkkkk

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

Seja Membro do Congresso em Foco

Apoie

Mais Colunistas

Ver todos

Newsletter Farol Político

Perspectivas exclusivas e a melhor análise do poder

assine

Receba notícias também via