Líder do MDB será relator de indicado para STF

O senador Eduardo Braga (MDB-AM), líder do partido, vai ser escolhido relator da indicação de Kassio Nunes para a vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). O Congresso em Foco confirmou que já há acordo para a relatoria. Braga foi relator da indicação de Augusto Aras para a Procuradoria-Geral da República em 2019.

A escolha de Kassio para a vaga do decano Celso de Mello foi confirmada na noite de quinta-feira (1º) pelo presidente Jair Bolsonaro em live no Facebook e foi oficializada nesta sexta-feira (2) no Diário Oficial da União (DOU).

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS), presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ), enviou  uma nota afirmando que não vai fazer a sabatina para avaliar a indicação de Kassio Nunes para o STF antes do dia 13 de outubro, quando Celso de Mello vai se aposentar.

A emedebista também declarou que não definiu a relatoria da indicação e que isso será feito quando receber a mensagem oficial da Mesa Diretora do Senado sobre a indicação do desembargador para o Supremo. Leia no final do texto a íntegra da nota.

Para ser confirmado na vaga que será aberta no próximo dia 13 de outubro, o desembargador precisa ser aprovado pela CCJ do Senado e depois pelo plenário, onde serão necessários os votos favoráveis de pelo menos 41 senadores.

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), disse ao site que acredita que o escolhido por Bolsonaro terá mais de 60 votos na Casa Legislativa.

A senadora Kátia Abreu (PP-TO) vê com bons olhos a escolha do piauiense. "Gostei dele. Já conheci no passado. Há uns 6 anos atrás. Ótimo histórico", disse ao site.

A indicação foi comemorada por congressistas do Centrão, sobretudo pelo senador Ciro Nogueira, réu no STF por corrupção, presidente do PP e natural do Piauí, terra de Kassio Nunes.

No entanto, a decisão do Executivo despertou críticas de senadores ligados à operação Lava Jato. O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) pôs em dúvida a isenção do escolhido.

"Boa noite para vc que votou em 2018 para 'mudar tudo isso aí' e hoje viu o PR indicar para o STF um advogado indicado pela Dilma para o TRF1. E soube que a indicação tem a benção do PT e do Centrão e foi consolidada em um jantar do PR com Gilmar Mendes, Toffoli e Alcolumbre", escreveu o senador no Twitter.

Leia a íntegra da nota da presidente da CCJ:

Sobre rito e procedimento da sabatina do indicado pelo Exmo. Sr. Presidente da República à vaga de ministro do STF, a presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal, Simone Tebet, esclarece:

“Vamos aguardar o despacho da Mesa Diretora e, em função da pandemia, a data dependerá de acordo com os líderes partidários, por se tratar de votação secreta e presencial.

Esclareço ainda: em respeito ao Senhor Ministro Celso de Mello, não realizaremos a referida sabatina antes do dia 13, e, como presidente da CCJ, a escolha do relator somente ocorrerá, após recebimento oficial da mensagem.

Simone Tebet (MDB/MS)
Presidente da CCJ 

>Presidente do PP defende indicação de cotado para o STF há mais de um ano

>“Errou grotescamente”: indicação ao STF irrita evangélicos e bolsonaristas

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!