Em atrito com Maia, Bolsonaro recebe presidente do DEM

O presidente Jair Bolsonaro e o presidente nacional do DEM, ACM Neto, devem se reunir nesta quinta-feira (23). Até o fechamento deste texto o encontro não estava na agenda oficial de Bolsonaro, mas foi confirmado pelo Congresso em Foco com integrantes da legenda.

O encontro deve contar apenas com a participação de Bolsonaro e ACM Neto, sem a presença dos líderes do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB), e no Senado, Rodrigo Pacheco (MG). Isso difere do que aconteceu na quarta-feira (22), quando, além do presidente nacional do MDB, o deputado Baleia Rossi (SP), também participou o líder da sigla no Senado, Eduardo Braga (AM). Baleia ainda lidera a bancada na Câmara.

Efraim Filho disse ao site  que o encontro é uma tentativa do presidente de aparar arestas com o partido. “Creio que foi um gesto de Bolsonaro buscar se reaproximar do Democratas, partido que preside as duas casas do Congresso. Crise política agora é ruim para todo mundo’”, afirmou.

O presidente entrou em conflito com o partido nas últimas semanas. O desgaste ocorreu tanto pela demissão do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que é ex-deputado pelo DEM de Mato Grosso do Sul, e pelos ataques feitos por Bolsonaro, filhos e aliados contra o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Assinantes do Congresso em Foco Premium tiveram acesso antes a esse conteúdo. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

> Cadastre-se e acesse de graça por 30 dias o melhor conteúdo político premium do país   

>Bolsonaro recorre ao “toma lá, dá cá” ao buscar o Centrão, criticam ex-aliados

Deputados acreditam que aproximação entre Bolsonaro e Centrão não vai isolar Maia

A negociação direta feita por Bolsonaro com o os deputados do  Centrão não é vista por deputados ouvidos pelo Congresso em Foco como maneira de isolar politicamente o presidente da Câmara.

A avaliação é que Maia perde protagonismo ao não ter mais o papel de intermediário entre as demandas do Centrão e o Palácio do Planalto. No entanto, não há perspectiva que o presidente da Câmara perca dentro da Casa Legislativa o amplo apoio partidário que tem.

“Nenhuma possibilidade de rompimento com Rodrigo Maia, ele é amigo de todos os partidos e todos os partidos vão continuar tendo uma boa relação com ele. Não tem essa questão de isolar o Rodrigo Maia”, afirmou o presidente do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP).

A intensificação nas conversas com os partidos do Centrão é uma tentativa de Bolsonaro de construir uma base aliada no Congresso e não depender de Maia, que tem uma grande influência sobre a pauta legislativa.

Um congressista que participou de mais de uma reunião com Bolsonaro na semana passada falou, sob condição de anonimato, sobre a aproximação entre Bolsonaro e os representantes partidários.

“Tirou o protagonismo [de Maia]. Não acho que seja ruptura porque o Maia sempre foi o interlocutor do Centrão com o governo. Espaços e emendas sempre foram tratados por ele e agora será feito direto. Acho que é mais uma mudança de local. Sai da residência do Maia e passa a ser com o [ministro da Secretaria de Governo] Ramos no Palácio”.

Ele avalia que esse movimento de afastar Maia da interlocução já havia começado quando a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) saiu da liderança do governo no Congresso e Onyx Lorenzoni saiu da Casa Civil para ir para o Ministério da Cidadania. Os dois eram a ponte entre Maia e Bolsonaro.

“Esses mesmos grupos já estavam participando desde o início do governo, na Previdência toda, só que era ali com Onyx, Joice e com Rodrigo e agora está sendo direto, acho que foi essa a mudança aí. Não acho que é para isolar Rodrigo, nem nada. Ele, lógico, perde protagonismo, mas eu não sei se também… Está aparentando que nem quer ter relação com o governo e nem o governo com ele, então é recíproco, não acho que é uma coisa unilateral, não”.

>Bolsonaro oferece cargos na Caixa e no FNDE para atrair o Centrão

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!