Ainda sem tornozeleira, Flordelis depõe à corregedoria da Câmara

A deputada Flordelis depõe na manhã desta terça-feira (22) à Corregedoria Parlamentar da Câmara dos Deputados. Ela é acusada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019, em Niterói (RJ). A parlamentar diz que é inocente.

> Saiba o que a deputada acusada de mandar matar o marido fez na Câmara no último ano

O corregedor da Câmara, deputado Paulo Bengtson (PTB-PA), tem até 45 dias úteis para apresentar sua conclusão. Mas ele já avisou que não pretende utilizar todo esse período.

Na sexta-feira passada, Flordelis disse estar sofrendo perseguição política e pediu o apoio das colegas da bancada feminina para que não perder o mandato.

Na sexta-feira (18), a Justiça do Rio determinou que Flordelis passe a usar tornozeleira eletrônica e fique em recolhimento domiciliar das 23h às 6h. Até o começo da manhã desta terça (22), entretanto, segundo informações do G1, a deputada ainda não tinha comparecido para colocar o equipamento.

Processo na Câmara

Pelas regras da Câmara, a Corregedoria faz a análise prévia da acusação, e a Mesa Diretora, se julgar procedente, remete o caso para o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar para abertura de processo contra a deputada.

A defesa foi entregue no último dia 16 por meio de procuração dos advogados da deputada Flordelis. O processo tramita sob sigilo.

Com informações da Agência Câmara

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!