PGR pede apuração sobre agressão de bolsonaristas a enfermeiros no DF

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu à Procuradoria da República no Distrito Federal que apure as agressões cometidas contra profissionais de enfermagem no dia 1º de maio, na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

A notícia-crime foi encaminhada pelo procurador da República João Paulo Lordero ao procurador-chefe da Procuradoria da República no Distrito Federal, Claudio Drewes José de Siqueira.

Veja aqui a íntegra do documento.

A ideia é que a primeira instância investigue quem são os agressores. Segundo o pedido, os eventos narrados podem ensejar tipificação de crimes previstos na Lei de Segurança Nacional. Os crimes elencados são: fazer propaganda pública de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social e incitar subversão da ordem política ou social. Durante o protesto, além dos ataques a profissionais de saúde, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro pediram intervenção militar. Há também indícios de crime contra a administração pública.

Conforme apuração, se forem levantados os elementos jurídicos da conduta criminosa, poderá ser aberta ação contra os autores.

Governo atropela Regina Duarte, e maestro que associou rock ao satanismo volta à Funarte

Segundo o UOL, um dos agressores, Renan da Siva Sena, é funcionário terceirizado do Ministério da Mulher, Família e dos Direitos Humanos. Comandada pela ministra Damares Alves, a pasta afirmou, em resposta ao UOL, que pediu à empresa terceirizada a demissão de Sena e que ela teria sido concretizada em 23 de abril.

Ontem (4), o procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios investigação sobre as agressões sofridas por jornalistas durante ato na capital federal no último domingo (3), com a presença do presidente.

“Tais eventos, no entender deste Procurador-Geral da República, são dotados de elevada gravidade, considerada a dimensão constitucional da liberdade de imprensa, elemento integrante do núcleo fundamental do Estado Democrático de Direito”, afirmou Aras no ofício ao órgão.

> Cadastre-se e acesse de graça, por 30 dias, o melhor conteúdo político premium do país 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!