Santos Cruz elogia general Braga Netto, novo ministro da Casa Civil

O general Carlos Alberto dos Santos Cruz, ex-ministro da Secretaria de Governo, elogiou o recém-escolhido ministro da Casa Civil, o também general Walter Braga Netto. “Eu conheço o general Braga Netto e sei que ele foi um excelente profissional no Exército”, disse Santos Cruz ao Congresso em Foco.

As informações deste texto foram publicadas antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

Embora não no mesmo período, tanto Santos Cruz quanto Braga Netto participaram  da intervenção federal no Rio de Janeiro, oficializada em 2018.

Santos Cruz foi, de 2017 a 2018, secretário nacional de Segurança Pública do então ministro da Justiça, Torquato Jardim, na gestão do ex-presidente Michel Temer (MDB). Na função, o general conversava com autoridades do Rio de Janeiro para estruturar o plano de intervenção federal.

Quando o plano de intervenção foi posto em prática em fevereiro de 2018, Santos Cruz saiu do governo e foi trabalhar como consultor da Organização das Nações Unidas (ONU), cargo que exerce até hoje. O general Braga Netto foi o interventor federal durante o período que o governo federal assumiu a segurança do estado.

O ex-ministro, no entanto, evitou comentar sobre o cargo que o colega de Forças Armadas agora ocupa dentro do governo. "Não posso falar sobre o perfil dele especificamente para as funções da Casa Civil".

> Santos Cruz sobre PSDB e PSL: “para se filiar tem que analisar bem”

> Bolsonaro confirma general na Casa Civil e Onyx na Cidadania

Os dois generais são símbolos de movimentos inversos do governo do presidente Jair Bolsonaro com o Exército.

Santos Cruz foi demitido da Secretaria de Governo em junho de 2019 após atritos com a ala ideológica do Planalto, representada pelos filhos do presidente e pelo guru bolsonarista Olavo de Carvalho. Já Braga Netto assumiu nesta semana a Casa Civil em um sinal de fortalecimento dos militares, que agora possuem 100% dos quatros ministérios palacianos.

Na posse de Bolsonaro como presidente havia uma divisão equilibrada entre civis e militares nos ministros com assento no Palácio do Planalto. Do lado civil estavam  Gustavo Bebianno (Secretaria Geral) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e do lado militar Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Santos Cruz (Secretaria de Governo).

Hoje o único ministro não originado das Forças Armadas é Jorge Oliveira (Secretaria Geral), mas que também tem origem militar por ser policial militar reformado do Distrito Federal. O restante do Planalto é ocupado pelos generais Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Braga Netto (Casa Civil).

> Santos Cruz critica “gangue digital” bolsonarista

> Bolsonaro tenta reduzir poder do DEM ao esvaziar pasta de Onyx

> Bolsonaro tira poder de Onyx e transfere articulação política para general

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!