Planalto indica irmão de Weintraub para a OEA com salário três vezes maior

A exoneração de Arthur Weintraub, que era assessor especial da Presidência da República, foi publicada na edição desta terça-feira (22) do Diário Oficial da União. O irmão do ex-ministro da Educação Abraham Weintraub também foi indicado pelo Planalto para um cargo como representante brasileiro em Washington, como diretor na Organização dos Estados Americanos (OEA).

Arthur Weintraub, que recebia R$ 16,9 mil como assessor em Brasília, terá um aumento de mais de 300% do salário com a atual cotação do dólar.

De acordo com a base salarial disponível no site da OEA, cargos como o dele recebem, anualmente, 111.502 dólares (R$ 603,7 mil), ou R$ 50,3 mil por mês. Ainda em seu primeiro ano no cargo, Arthur também irá receber um reajuste de 56.197 dólares, ou R$ 304,3 mil.

Uma imagem publicada no Twitter do agora ex-assessor indica que ele iniciou os trabalhos na organização na última quinta-feira (17).

Abraham, que saiu do país às pressas, após virar alvo de investigação no Supremo Tribunal Federal, foi para a capital americana em julho, onde assumiu o posto de diretor-executivo no conselho do Banco Mundial. Para isso, deixou o Ministério da Educação, onde sua gestão gerou críticas generalizadas – um dos seus críticos mais vocais era o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O salário de Abraham no Banco Mundial é maior que o do irmão – cerca de 258 mil dólares (ou R$ 1,4 milhão) por ano (R$ 115 mil/mês, na cotação atual).

> Camara Legislativa torna Weintraub vira persona no grata em Brasília
> Maia ironiza Abraham Weintraub no Twitter: “Banco Mundial viu isso?”

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!