Senado promove ato contra terrorismo e islamofobia

“Somos Charlie” reuniu representantes de países, jornalistas e líderes religiosos em repúdio aos ataques terroristas na França e contra o preconceito religioso

Foi marcado por um minuto de silêncio, observado com todos os convidados de pé, o ato “Somos Charlie”, realizado nesta quinta-feira (15) no Senado, numa manifestação contra o terrorismo e a islamofobia, assim como a favor da liberdade de expressão. O evento ocorre na esteira dos ataques terroristas ao jornal satírico Charlie Hebdo e a um mercado judaico em Paris.

Representantes de embaixadas e de organismos internacionais, além de lideranças religiosas, como o Sheikh Muhammad Zidan, do Centro Islâmico de Brasília, lotaram o auditório do Interlegis para um debate em torno do que deve ser feito para enfrentar o quadro de tensão no mundo.

Ao chegar para o encontro, Francisco Fontan, chefe-adjunto da delegação da União Europeia no país, expressou repulsa ao terrorismo e solidariedade com as vítimas. Ele defendeu a liberdade de expressão como direito fundamental numa democracia. “Quando a liberdade é atacada, nós temos que falar alto, como Brasil e a União Europeia estão fazendo:, afirmou.

Simbolismo

Para o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), que promoveu o ato, o lápis, símbolo da luta contra a ação de terroristas, é também o símbolo da luta pela educação, pois está na educação a única saída capaz de parar a fábrica de terrorismo.

“Não vejo outra saída para parar a fábrica de terrorismo no mundo do que um grande programa internacional de educação, para todas as crianças. Colocá-las em escolas de qualidade, para terem a formação para a paz, a consciência da tolerância com todas as religiões, todas as culturas”, disse.

Na opinião do parlamentar, o Brasil pode dar o exemplo, oferecendo educação de qualidade para sua população. Ele lembra que somos um país com maior tolerância religiosa, sendo remota a possibilidade de ação de extremistas religiosos, mas ressalta que nenhum país está livre do terrorismo.

O ato realizado nesta quinta-feira, denominado “Somos Charlie”, de acordo com o pedetista, manifesta a indignação do Parlamento brasileiro aos ataques terroristas ocorridos na sede da revista francesa Charlie Hebdo e num supermercado frequentado por judeus, que resultaram em 17 mortos. Também é uma manifestação de repúdio ao crescimento do sentimento contra o islamismo e uma forma de promover o debate sobre saídas para frear ações terroristas.

Com informações da Agência Senado

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!