Congresso em Foco

Procurador Ailton Benedito [fotografo] Divulgação/MPF [/fotografo]

Procurador processa e incentiva ações contra agência de combate a fake news

11.11.2020 12:19 12

Publicidade

12 respostas para “Procurador processa e incentiva ações contra agência de combate a fake news”

  1. Jorge Teixeira Carneiro disse:

    Tudo que atinge a esquerda é fake news.

    • RN disse:

      Pq tudo que as extremas direita e esquerda fazem, é fake news.

      • Jorge Teixeira Carneiro disse:

        Isso é verdade mesmo.
        A explicação é a polarização a que o país está submetido.
        Havia o ”nós x eles” e agora tem o ”eles x nós”.

    • Rodrigo Homer disse:

      Ué, a auto proclamada direita atual só sabe jogar sujo nesse sentido mesmo…

      Cite algo que foi taxado de fake news por essa agência e que não era, de fato.

      • Jorge Teixeira Carneiro disse:

        Tem um monte de coisas que são inverdades.

        Por exemplo: Dizer que o Flavio Bolsonaro fez depósitos em dinheiro de 2 mil em 2 mil no Banco Itaú para que eles não apareçam no extrato.
        Eu sou correntista do Banco Itau e posso te dizer.

        O máximo de cada depósito em dinheiro em caixa automático é 2 mil reais por envelope.
        Então criaram como prova para comprovar as rachadinhas uma razão que é uma norma interna do banco Itaú.
        Veja bem, eu não estou dizendo que ele não faça rachadinhas, estou dizendo que depósitos em dinheiro em conta do Itaú tem que ser divididos em envelopes com 2 mil em cada um.
        E tanto faz vc depositar 10 envelopes com 2 mil ou 20 mil, que a Receita fica sabendo do mesmo jeito, o que eles monitoram é o total da movimentação.
        Tanto quer pegaram.

        • Rodrigo Homer disse:

          “Tem um monte de coisas que são inverdades” De novo generalismos de quem não tem argumento sólido. Que monte de coisas? Que o Flavio fez trocentos depósitos de dois mil reais na conta para mascarar a origem? Isso é mentira? Cara, se vc tem conta eu sou bancário e te explico uma coisa: fazendo depósitos fracionados dificulta a rastreabilidade da origem, pois se fizer tudo de uma vez no guichê, dentro da agência, acima de dez mil reais, na época, tinha que preencher um documento chamado RME cujas informações poderiam ir direto para o então COAF, instituição convenientemente modificada pelo atual “merdatário” da nação.

          E outra, se vc tem um valor X para depositar em conta, em espécie, por qual motivo não faz um depósito único dentro da agência? Pressa? Conta outra pois só o tempo que se perde fazendo tantos depósitos em caixa eletrônico, daria para fazer de uma vez só e dentro da agência. Mas aí tem que justificar a origem do montante e é aí que ninguém quer, né….

          • Jorge Teixeira Carneiro disse:

            Evidentemente que isso não explica o montante.
            Mas havia o risco de ser pego tanto depositando 20 mil como depositando 10 x 2 mil.
            E o assunto rachadinha não se resume só a ele, afinal a Lista da COAF tem 18 ou 19 nomes.
            Na ALERJ, a ”rachadinha” parece que tem status de ”instituto”.
            Não me lembro dos nomes agora, mas acho já teve gente da ALERJ condenada por isso antes.

          • Rodrigo Homer disse:

            Risco havia mas foi um artifício usado convenientemente para dificultar, não há outra explicação plausível. Até porque, m eparece que surgiu aí uma assessora dele que confirmou o esquema, não? Ou é fake também??

            E não estou dizendo que o esquema de rachadinhas se resuma ao Flavio, óbvio que não. Isso é mais velho que andar pra frente , no entanto, não se legitima algo ilícito sob o argumento de que “todo mundo faz”, não é verdade?

          • Jorge Teixeira Carneiro disse:

            Eu concordo com você.
            Aliás, a ALERJ só envergonha os fluminenses.
            Custa caríssimo e não produz quase nada em troca.
            São algumas dezenas de parasitas com carros oficiais, gasolina infinita, assessores e diversos PMs desviados de função como seguranças.
            Me contaram uma ”estória” uma vez que tem um posto na Barra onde assessores fazem compras no ”mercadinho” e enchem os tanques de diversos carros com a cota de gasolina dos para-lamentares.
            Se tem um posto que faz isso, devem ter vários, né?

          • Rodrigo Homer disse:

            Pois é…e não foi uma lebre dessas que o Ciro Gomes levantou uma vez sobre o Bolsonaro pai? Uma conta de cerca de 50 mil reais em um posto de gasolina? Deve ser esse esquema aí, hehehehehe. Mas não serei incisivo quanto à veracidade desse caso específico envolvendo “mito”, pois sobre isso eu li por alto, não me inteirei devidamente…

          • Jorge Teixeira Carneiro disse:

            Bolsonaro é deputado federal.
            Então o assunto extrapolaria a ALERJ ou seja, o ”instituto” foi tornado nacional, estadual e municipal.
            Quanto a opinião de Ciro Gomes, para mim é irrelevante, uma vez que no Ceará deve ser igualzinho, já que lá também tem uma ”alerj”.

          • Rodrigo Homer disse:

            Siimmmm….mas o suposto esquema pode ser nos mesmos moldes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

Seja Membro do Congresso em Foco

Apoie

Newsletter Farol Político

Perspectivas exclusivas e a melhor análise do poder

assine

Receba notícias também via