Recuperado da covid-19, Alcolumbre defende o isolamento social

Depois de três semanas se recuperando da covid-19, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidiu nesta terça-feira (7) a primeira sessão virtual da Casa depois de ser acometido pelo novo coronavírus. Alcolumbre foi diagnosticado em 17 de março.

“Não podemos relevar, não podemos desconsiderar. Tenho convicção de que a decisão do isolamento social é acertada”, disse ele. Mais tarde, em entrevista a jornalistas, o senador frisou confiança nas orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde.

Por coronavírus, Maia reduz despesas da Câmara em R$ 150 milhões

“Não há uma escolha entre economia ou saúde. Só há um caminho: é a saúde das pessoas, é manter as pessoas com vida”, disse. Ele defendeu que o Estado dê as condições para a solvência das empresas e a garantia dos empregos.

Em relato a colegas no início da sessão, Alcolumbre disse não se tratar de uma gripe. “Eu senti muita dor de cabeça, muito mal estar, muita tosse, muita dor no peito. Foram 7 dias muito difíceis. Os outros 7 dias, até completar os 14 dias, recuperando gradativamente a condição”, relatou.

Alcolumbre pediu aos senadores esforço coletivo para aprovação das medidas de combate à pandemia. “Eu vejo que a gente tem a responsabilidade de tratar essa situação com a preocupação que ela exige de todos nós”, disse ele.

Nos 15 dias em que ficou afastado dos trabalhos legislativos, Alcolumbre foi substituído pelo 1º vice-presidente do Senado, Antonio Anastasia (PSD-MG).

O senador expôs que passou por dias muito difíceis, de muito desconforto e que, em virtude disso, não conseguiu se comunicar com Anastasia todos os dias.

Na sessão remota de hoje, os senadores votaram o projeto de lei que cria um programa de auxílio a pequenos negócios por meio de financiamentos.

Últimas notícias da pandemia de covid-19

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!