Ministro interino não assinou novas regras sobre cloroquina, apenas os secretários

O Ministério da Saúde divulgou nesta quinta-feira (21) assinaturas ao documento que autorizou o novo protocolo para uso da cloroquina. Divulgado ontem (20), o documento traz novas orientações e estende o uso da substância para todos os pacientes com covid-19, inclusive em casos leves. Publicado em um momento em que a pasta é comandada por um interino, o protocolo não apresentava os responsáveis pela recomendação.

Segundo o ministério, o  tema vinha sendo discutido pelo corpo técnico da pasta. “Para deixar clara a participação e o envolvimento de todas as secretarias, os titulares das pastas assinaram o documento ainda na quarta-feira (20)”, informou o ministério em nota.

Assinam o novo protocolo sete secretários, alguns deles substitutos, mas não há assinatura do ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello.

Sem pagamento, residentes fazem manifestação em frente ao Ministério da Saúde

As novas recomendações permitem o uso de cloroquina ou hidróxido de cloroquina já nos primeiros dias após a manifestação de sintomas. As normas anteriores liberavam a droga apenas para os casos mais graves da doença.

A administração precoce de cloroquina, que leva a um uso amplo do medicamento, é contestada por entidades médicas por não haver estudos que comprovem sua eficácia e ainda existir o risco de reações adversas, como problemas cardíacos.

Questionada sobre as novas orientações do governo brasileiro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reforçou que a cloroquina pode causar efeitos colaterais e afirmou que ela não tem eficácia comprovada no tratamento da covid-19

Imposto pelo presidente Jair Bolsonaro, mesmo sem evidências científicas, o uso precoce de cloroquina levou à saída de Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich do comando da pasta. Ambos não aceitaram assinar as novas orientações. Ontem, o presidente celebrou as novas orientações e afirmou que estamos em Guerra: “Pior do que ser derrotado é a vergonha de não ter lutado.”

Leia a íntegra do documento.

No início da semana, a Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI) emitiu um parecer sobre uso de cloroquina para o tratamento de pacientes com covid-19. O documento ressalta que até o momento não existe terapia comprovadamente efetiva para o tratamento do coronavírus e que esse medicamento em questão, tem efeitos colaterais que podem levar a morte de pacientes.

Assinam o documento a Secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Mayra Isabel Correia Pinheiro, a Secretária Subtituta de Atenção Especializada à Saúde, Cleusa Rodrigues da Silveira Bernardo, o Secretário Especial de Saúde Indígena, Robson Santos da Silva, a Secretária Substituta de Atenção Primária à Saúde,Daniela de Carvalho Ribeiro, a Secretária Substituta de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Vania Cristina Canuto Santos, o Secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Kleber de Oliveira, e o Secretário-Executivo Substituto, Antônio Elcio Franco Filho.

Leia a nota divulgada pela pasta:

NOTA À IMPRENSA

Sobre a assinatura do documento das “orientações para manuseio medicamentoso precoce de pacientes com diagnóstico da COVID-19”, o Ministério da Saúde informa que o tema vinha sendo discutido no âmbito do Ministério da Saúde por seu corpo técnico. Para deixar clara a participação e o envolvimento de todas as secretarias, os titulares das pastas assinaram o documento ainda na quarta-feira (20).

Maia antecipa pauta da semana da Câmara após pressão de deputados

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!