Congresso em Foco

Reprodução de mensagens posteriormente apagadas pelo músico

Roger ataca Marcelo Rubens Paiva e diz que ditadura perseguiu quem fazia “merda”

13.08.2014 10:46 2

Reportagem
Publicidade

2 respostas para “Roger ataca Marcelo Rubens Paiva e diz que ditadura perseguiu quem fazia “merda””

  1. Nelson disse:

    Como é intrigante que até pessoas com uma certa cultura, ainda fazem confusão com o que aconteceu em 1964, mesmo com ampla e exaustiva documentação sobre o assunto. A frase “A esquerda brasileira optou pelas armas e foi recebida pelas armas” é o maior exemplo disso, e venho lendo essa balela escritas. ou por mentes criminosas tentando justificar o golpe e minimizar suas mazelas, ou repetidas ignobilmente por pessoas que mal se deram ao trabalho de ler sobre o assunto. O golpe militar foi desferido pelo exercito de de Minas Gerais, sob a égide do governo do estado representado por Magalhães Pinto, que apoiado por empresários temerosos das medidas sociais iniciadas por Jango, e ainda por um segundo grupo, financiado pelos Estados Unidos da América, encabeçados pelos Generais, Golberi do Couto e Silva, Costa e Silva, Emilio Garrastazu Medice, Ernesto Geisel, Castelo Branco, e João Batista Figueiredo, na surdina np dia 1 de maio de 1964 “INVADIRAM A CAPITAL DO PAÍS” a fim de derrubar um governo constituído legalmente pelo voto. Portanto não havia ameaça armada de esquerda nenhuma, sendo isso apenas uma mentira deslavada inventada pelos militares para justificar sua nefasta atitude. Tanto que nenhum tiro foi disparado, pois não houve resistência nenhuma, nem por parte do governo, nem pelos suposto grupos de esquerda, pelo menos naquele momento. As primeiras tentativas de resistência aconteceram anos mais tarde, dentro das próprias forças armadas, por sargentos da marinha e do exercito, as quias tinham apenas 17 sargentos que praticamente estavam doentes na serra do Caparaó, e foram facilmente presos por policiais locais. Só nos anos 70 que houve a guerrilha do Araguaia que forneceu uma certa resistência, mas também foi dizimada, dado a total desproporção de contingente entre as duas forças, o que confere o caráter heroico dos rebelados. Nos centros urbanos, o golpe foi de inicio até apoiado pela população e por políticos de oposição a Jango, como Carlos Lacerda,, e inclusive o presidente do senado, que declarou a presidência vaga, e garantiu a posse de Castelo Branco à presidência da República. Porém, os políticos que apoiaram o golpe, não tardaram a sentir o “tiro no pé”. O que era pra ser um mandato de 1 ano, transformou-se numa ditadura de mais de 20 anos, com o impedimento de eleições diretas, para presidente, governadores e senadores; fechamento do congresso nacional, cassação dos direitos políticos, ignorância total ao código penal, código do processo penal, e da justiça em sua total excelência. E mais, perseguições, sequestros ilegais, torturas inenarráveis, mortes obscuras, não só de militantes políticos, más de seus parentes e de pessoas totalmente inocentes. Estabeleceu-se o controle total dos meios de comunicação, fazendo a máquina trabalhar exclusivamente com propaganda anti-golpe, e escondendo todos os crimes políticos da época, além de divulgar atentados idealizados pelo próprio governo, e imputados a grupos de esquerda, como foi o exemplo o caso Para-Sar e o atentado ao Rio Centro. O brasileiro é um povo extremamente sagaz e inteligente, porém peca por rechassar a sua própria memória, e é bom sempre que possível, relembrar as atrocidades do passado, para que não se repita novamente.

  2. Hilton Fraboni disse:

    Obviamente não sou a favor de nenhum modelo de ditadura (nem a do passado nem da atual) e aquele modelo opressor brasileiro foi um modelo mundial, adotado tanto pelas esquerdas quanto pelas direitas. Na URSS a esquerda foi a opressora, na Alemanha a direita virou esquerda radical com Hitler e oprimiu ao extremo, na Itália o que aconteceu? Na Argentina? Uruguai?
    Mas tudo foi com o aval do povo, seja por ação ou omissão. A esquerda brasileira optou pelas armas e foi recebida pelas armas, em outro flancos a diplomacia, o protesto e o argumento, mesmo que indireto ou escondido prevaleceram. 99,99999 população brasileira não conheceu nem viu opressão, senão pelos jornais e rádios e nem entendiam as artes subliminares. As ditaduras (governo x milícias) foram quase que exlusivas da classe média universitária (elite da época) contra um sistema não desejado por eles. Foi a classe média quem fomentou os desejos dos militares e foi a classe média que combateu os militares. Pobres morriam de tanto capinar lavouras e ordenhar vacas de madrugada.
    Artistas? ah! os artistas faziam shows para as multidões e, assim como hoje só falam de sexo, naquele tempo atemática eram as armas eos bruxos da direita opressora, nada mais do que um show…. de rebeldias e irreverências.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

Seja Membro do Congresso em Foco

Apoie

Newsletter Farol Político

Perspectivas exclusivas e a melhor análise do poder

assine

Receba notícias também via