Vida de gado, povo feliz!

"Em termos globais (no Ocidente) vivemos o fim de uma era (a era da modernidade). Em termos locais, o fim de um modelo de civilização (Civilização Atlântica), que está na UTI"

A infelicidade tomou conta do Brasil, segundo o ranking do Instituto Gallup em parceria com a ONU e fundações internacionais (era o 15º país mais feliz em 2015; passou para a 32ª posição agora – ver Cida de Oliveira, 22/3/19). Crises econômica, política, moral, ética, tudo explica a queda. Mais: desemprego, trabalho precarizado (sem garantias), fome, miséria, perda de status social, insegurança jurídica, corrupção, revolução tecnológica que privilegia a concentração da riqueza, uso vulgar da internet, ódio, violência e por aí vai.

Em termos globais (no Ocidente) vivemos o fim de uma era (a era da modernidade). Em termos locais, o fim de um modelo de civilização (Civilização Atlântica), que está na UTI.

O predomínio é dos discursos, não das ações, não da vida (é pura sustentação da dominação). O valor da vida (humana, da natureza, dos animais) se evaporou. A ilusão tomou o lugar da verdade. Nenhuma civilização se sustenta o tempo todo sobre ilusões e falsidades.

Como já disse Nietzsche, a razão, “um sonho antropocêntrico de controlar a vida”, está desabando (dia após dia). As instituições não se entendem. As desavenças recrudescem. Os ataques se intensificam.

O Ocidente, nos últimos 300 anos, teve progressos em relação às liberdades. Mas não cuidou do capital mais importante que sustenta toda civilização: o capital humano, a ética e a moral entendida como solidariedade. Tudo está virando ruínas. E estão tirando dos povos até mesmo a ilusão de viver preponderantemente de acordo com a modernidade. Aí vem o discurso que diz que temos que viver de acordo (totalmente) com a Idade Média.

Isso gera descompasso civilizacional. A ilusão de progresso da modernidade (a ciência vai resolver todos os problemas humanos) está sendo desmoronada. Ocorre que a humanidade se tornou dependente dela, como se ela fosse capaz que nos proporcionar um sopro de vida ou, ao menos, de esperança. O retorno pleno ao modo de vida da Idade Média tira a perspectiva de futuro. Daí nasce a infelicidade em todos os cantos do mundo ocidental.

Parlamentares miram pacote anticrime de Moro contra decisão do STF sobre caixa dois

Gilmar Mendes quebrou decoro 32 vezes, acusam autores de pedido de impeachment. Veja casos apontados

81 senadores, 82 votos: a velha política e o seu banditismo

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!