Horror

Emanuel Medeiros Vieira *

“É uma barbárie como eu nunca havia visto”, disse Maria Laura Canineu, diretora do Humans Right Watch Brasil, sobre o vídeo em que presos do complexo presidiário de Pedrinhas, no Maranhão, comemoram a decapitação de detentos rivais.

O Conselho Nacional de Justiça, várias entidades nacionais e órgãos internacionais como o Alto Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos, têm solicitado providências urgentes.

Não é novidade.

Mas mesmo para os parâmetros “aceitos” no Brasil, o que ocorre no Maranhão é demasiado!

Horror! Estaremos tão anestesiados, tão entorpecidos, tão resignados?

Será a vitória completa do individualismo?

Mais de 62 presos foram mortos desde o ano passado, resultado de brigas entre grupos rivais, além do estupro de mulheres que visitavam os presídios.

A governadora Roseana Sarney ficou indignada – ao que parece – com a divulgação do vídeo sobre a barbárie e não com a selvageria em si.

A renda per capita do Maranhão, de R$360, é a pior do Brasil; 96% de seus domicílios não têm acesso adequado à rede de saneamento básico; mais de um quinto de sua população com 15 anos ou mais não saber ler ou escrever.

(Enquanto isso, a governadora iria comprar 80 quilos de lagosta fresca, uma tonelada e meia de camarão e oito sabores de sorvete para abastecer a sua residência oficial e a sua casa de praia Desistiu, porque o plano foi descoberto.)

Em qualquer país civilizado, haveria intervenção no presídio.

Mais que isso: intervenção federal no Estado.

O clã Sarney infelicita o Maranhão há meio século.

Repito a indagação: estaremos todos tão entorpecidos, anestesiados, resignados?

Não haverá intervenção: a governadora é da base aliada. A presidente precisa do seu apoio para a reeleição.

O problema das masmorras medievais não começou hoje, eu sei. Atravessa a nossa história.

Nos anos do reinado do príncipe FHC – o “Patriarca da Dependência”– também não foi feito nada, além da venda do Brasil na bacia das almas e a compra de votos para a sua reeleição.

Mas uma barbaridade não justifica outra.

Horror, horror, horror – repito.

Como resgataremos o mínimo de humano – algum valor civilizatório?

* Emanuel Medeiros Vieira, professor, jornalista e escritor, também já atuou como crítico de cinema e editor. Autor de 23 livros publicados, é detentor de vários prêmios literários nacionais.

Outros textos de Emanuel Medeiros Vieira

Leia mais sobre a crise no Maranhão

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!