Congresso dos EUA é invadido por manifestantes pró-Trump

O Congresso dos Estados Unidos da América foi invadido por manifestantes pró-Donald Trump na tarde desta quarta-feira (6). Eles interromperam a contagem dos votos que oficializa a eleição de Joe Biden à presidência do país.

A sessão era comandada pelo vice-presidente, Mike Pence – que tradicionalmente promove a leitura dos votos. A sessão foi interrompida, e com isso o processo deve atrasar – já parlamentares da Câmara e do Senado tiveram que deixar o prédio.

Após a invasão do Congresso, o serviço secreto dos Estados Unidos conseguiu retirar Pence para um lugar não determinado. Parlamentares e funcionários receberam máscaras de gás. Jornalistas relatam que um toque de recolher foi decretado a partir das 18h do local (20h, em Brasília).

O chamado à invasão foi apoiado por Trump, que não aceita a derrota. Mais cedo, em um discurso em frente à Casa Branca, o presidente disse que iria marchando com manifestantes até o Capitólio. Mesmo sem ir ao Congresso, Trump acusou Mike Pence de "não ter a coragem de fazer o que deveria ter feito para proteger seu país e sua Constituição".

Depois da invasão, o presidente foi ao Twitter pedir que os manifestantes não ajam com violência e respeitem a polícia do Capitólio.


"Por favor, apoiem nossa Polícia do Capitólio e as forças de segurança. Eles verdadeiramente estão do lado do nosso país. Sejam pacíficos", escreveu.

"Peço a todos no Capitólio que ajam pacificamente. Sem violência! Lembrem-se, NÓS somos o partido da Lei e Ordem - respeitem a lei e nossos grandes homens e mulheres de azul [policiais]. Obrigado!".

O vice-presidente Mike Pence foi mais enfático que Trump e, em dois tuítes, pediu o fim da invasão ao Capitólio e afirmou que os invasores serão processados.

"A violência e a destruição que acontecem no Capitólio devem parar e devem parar agora. Todos os envolvidos devem respeitar as forças de segurança e deixar o prédio imediatamente", escreveu.

"Protestos pacíficos são direito de todos os americanos, mas este ataque ao Capitólio não será tolerado e os envolvidos serão processados em toda a extensão da lei", disse.

De acordo com a mídia local uma mulher foi baleada e morta pela Polícia do Capitólio. Imagens do momento do disparo circulam pelas redes sociais.

Já no começo da noite, pelo horário de Brasília, Trump publicou um vídeo pedindo que os manifestantes fossem para casa.

"Eu sei que vocês estão  machucados, nós tivemos uma eleição roubada de nós e todos sabem disso, especialmente o outro lado, mas vocês têm que ir para casa agora, nós precisamos ter paz, lei e ordem e não queremos ninguém ferido, disse.

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, fez um pronunciamento na tarde desta quarta-feira (6) sobre a invasão do Congresso. Em um breve discurso, Biden disse que a o episódio não representa o país e nem quem são os cidadãos dos Estados Unidos. "É um número pequeno de extremistas. É desordem, caos e isso precisa acabar agora. Apelo ao presidente Trump para ir à televisão nacional agora para cumprir seu juramento e defender a Constituição exigindo o fim deste cerco", vaticinou.

> Democratas estão próximos de alcançar maioria no Senado dos EUA
> Governo zera imposto para importação de agulhas e seringas

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!