Salles demite diretor do Ibama após operação contra garimpeiros ilegais

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, demitiu nesta segunda-feira (13) o diretor de Proteção Ambiental do Ibama, Olivaldi Alves Borges de Azevedo. A demissão aconteceu após o programa Fantástico, da TV Globo, exibir uma reportagem sobre uma operação de combate ao garimpo ilegal em terras indígenas que foi coordenada pelo órgão ambiental, especificamente pela diretoria de Olivaldi. 

> Salles demite analista que se opôs a exportação ilegal de madeira

Fontes do Ministério do Meio Ambiente, que pediram anonimato ao Congresso em Foco, informaram que a demissão tem relação com a veiculação da reportagem e foi uma determinação do presidente Jair Bolsonaro ao ministro Ricardo Salles. A principal motivação do pedido teria sido o fato de os agentes terem queimado tratores e outros equipamentos usados no garimpo ilegal. 

Em novembro do ano passado, o presidente prometeu a garimpeiros, em frente ao Palácio da Alvorada, que proibiria a queima de maquinário ilegal apreendido em ações de fiscalização. 

Olivaldi é major da Polícia de São Paulo e está longe de se encaixar no perfil que Bolsonaro e seus aliados costuma chamar de ambientalista xiita. Ele foi nomeado para o cargo pelo próprio Ricardo Salles, em janeiro de 2019.

Risco de contaminação por covid-19

A ação do Ibama foi realizada em três terras indígenas no sul do Pará, onde vivem cerca de 1.700 índios. O que ensejou a ação do poder público foi o fato de as invasões de terras indígenas terem aumentado desde o início da pandemia de covid-19. Como a doença oferece riscos ainda maiores às populações indígenas, o Ibama agiu para impedir o contato dos garimpeiros com os índios.  Antes da operação, os fiscais cumpriram 14 dias de quarentena preventiva. 

“Nosso papel é não atrapalhar”, diz Salles ao defender iniciativa privada na área ambiental

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!