Centrão tenta tirar Canuto do Ministério de Desenvolvimento Regional

Representantes do Centrão, grupo informal que reúne siglas como DEM, Republicanos, MDB, PP, Solidariedade e PL, querem que Gustavo Canuto saia do Ministério de Desenvolvimento Regional.

Canuto foi uma escolha técnica do presidente Jair Bolsonaro para a pasta. O paranaense é servidor de carreira do Ministério do Planejamento.

Além da falta de interlocução com deputados, um membro do grupo de partidos afirma que o próprio governo federal acredita que Canuto não tem entregado resultados.

“Há uma enorme insatisfação do ministro Paulo Guedes e do presidente junto a esta gestão”, disse um dos políticos ao Congresso em Foco.

> Demissão no FNDE amplia atrito entre Bolsonaro e Legislativo

As informações deste texto foram publicadas antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

Auxiliares próximos do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), negaram ao site uma intenção de tentar demover do cargo o ministro do Desenvolvimento Regional. “Davi gosta muito do Canuto”, disseram.

Para aliados do Alcolumbre quem quer ter um indicado no comando da pasta é o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Durante a votação da medida provisória que regulamentou as mudanças ministeriais do governo de Jair Bolsonaro em maio de 2019, a expectativa era que o ministério do Desenvolvimento Regional voltasse a ser desmembrado nas pastas de Cidades e Integração Nacional, com indicados da Câmara e do Senado para ocupar as duas vagas.

No entanto, a divisão, que inclusive foi anunciada pelo governo, acabou não acontecendo e Canuto permaneceu à frente do Desenvolvimento Regional.

> Bolsonaro se reúne com deputados do Centrão para debelar insatisfação

> Centrão se rebela, cobra emendas e barra votações na Câmara

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!