Toffoli obriga Lava Jato a compartilhar dados com a PGR; veja a íntegra

O ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal, determinou que a força-tarefa da Operação Lava Jato entregue as bases de dados das investigações à Procuradoria-Geral da República. A determinação atinge os procuradores à frente da Lava Jato no Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. 

A decisão de Toffoli veio após pedido da própria PGR, que afirmou haver "resistência ao compartilhamento" e à "supervisão de informações” dentro da Lava Jato. 

> PGR sobe o tom e diz que Lava Jato não é órgão autônomo e distinto do MP

“Inegável, por conseguinte, a necessidade de se determinar o imediato intercâmbio institucional de informações, para oportunizar ao Procurador-Geral da República o exame minucioso da base dados estruturados e não-estruturados colhidas nas investigações das forças tarefas da operação Lava Jato nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná, para que Sua Excelência possa se certificar quanto à existência ou não de investigações relativas às autoridades com foro prerrogativa na Corte, eventualmente realizadas sob supervisão de autoridade judiciária incompetente”, diz a decisão do ministro.

A PGR, ao pedir acesso aos dados da Lava Jato, argumentou que os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), estavam sendo investigados, de forma irregular, já que têm prerrogativa de foro. 

Leia a íntegra da decisão

Veja a íntegra da nota da Operação Lava Jato

Os procuradores da República integrantes da força-tarefa do Ministério Público Federal que trabalham no caso Lava Jato em Curitiba cumprirão a decisão emitida pelo Supremo Tribunal Federal que autoriza o Procurador-Geral da República a acessar de modo irrestrito suas bases de dados, inclusive as informações sigilosas.

Como a força-tarefa ressaltou, para prevenir responsabilidades, o acesso às bases depende de autorização judicial, que foi obtida. No entanto, é necessário registrar que a decisão parte de pressuposto falso, pois inexiste qualquer investigação sobre agentes públicos com foro privilegiado.

Além disso, os atos de membros do Ministério Público Federal estão sujeitos à Corregedoria do Ministério Público Federal e do Conselho Nacional do Ministério Público, que têm amplo acesso a todos os processos e procedimentos para verificação de sua correção, o que é feito anualmente, constatando-se a regularidade dos trabalhos. Segundo o que a lei estabelece, essa função correicional não se insere no âmbito de atribuições do Procurador-Geral da República.

Por fim, lamenta-se que a decisão inaugure orientação jurisprudencial nova e inédita, permitindo o acesso indiscriminado a dados privados de cidadãos, em desconsideração às decisões judiciais do juiz natural do caso que determinaram, de forma pontual, fundamentada e com a exigência de indicação de fatos específicos em investigação, o afastamento de sigilo de dados bancários, fiscais e telemáticos.

> Lava Jato: após crise, subprocuradora retira candidatura do Conselho Superior da PGR

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!