Psol, Rede e PT pedem cassação de Flávio Bolsonaro e depoimento de Queiroz

O Psol, a Rede e o PT protocolaram na manhã desta quarta-feira (19) uma representação no Conselho de Ética do Senado, pedindo a cassação do mandato do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ). O pedido foi assinado pelos presidentes dos três partidos: Juliano Medeiros (Psol), Pedro Ivo de Souza Batista (Rede) e Gleisi Hoffmann (PT).

Para o presidente do Psol, Flávio não tem condições de exercer o mandato por suas ligações com as milícias.

"É um crime continuado. Ele também é acusado de peculato, lavagem de dinheiro, corrupção e associação criminosa. Não é possível conviver com um senador que tenha tido essas práticas no seu currículo como deputado estadual", disse Juliano ao Congresso em Foco. "Ele não tem decoro nem é ético", acrescentou.

No documento entregue ao Conselho de Ética, os partidos argumenta que o motivo principal da representação contra Flávio Bolsonaro "é sua ligação forte e longeva com as milícias no Rio de Janeiro".

Além do afastamento de Flávio Bolsonaro, os presidentes dos partidos pedem que pessoas ligadas ao senador sejam ouvidos pelo conselho, entre elas o ex-funcionário Fabrício Queiroz.

O pedido de cassação foi entregue em uma reunião com com o presidente do Conselho de Ética do Senado, senador Jayme Campos (DEM-MT). Além do presidente do partido, participaram do encontro deputados da bancada do Psol e o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), membro suplente do conselho.

Leia na íntegra o pedido de cassação

 

 

 

> Bolsonaro empurra cadáver de miliciano para o PT, que reage: “Ultrapassa limite do cinismo”

> Herói, brilhante: as vezes que Bolsonaro e Flávio defenderam miliciano morto

Relação com a milícia

Em 2005, quando Flávio Bolsonaro era deputado estadual, ele homenageou o ex-policial militar e miliciano Adriano da Nóbrega com a medalha Tiradentes, a maior honraria da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). A medalha foi entregue ao policial na cadeia, onde aguardava seu julgamento por homicídio.

Rachadinha

O nome dele reapareceu nas investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro sobre a chamada "rachadinha" no gabinete de Flávio na Alerj. Por essa prática, disseminada em vários legislativos, o parlamentar ou um subordinado se apropria de parte dos salários dos funcionários do gabinete. O MP do Rio identificou contas de Adriano usadas para transferir dinheiro a Fabrício Queiroz, então assessor de Flávio e suspeito de comandar o esquema de devolução de salários.

Fabrício Queiroz e Adriano de Nóbrega atuaram juntos no 18º Batalhão da PM.  Com a ajuda de Queiroz, o gabinete de Flávio empregou a mulher do ex-capitão, Danielle Mendonça da Costa da Nóbrega, de 2007 até novembro de 2018, e a mãe dele, Raimunda Veras Magalhães, de abril de 2016 a novembro de 2018.

Flávio minimizou a homenagem feita a Adriano: "Homenageei centenas e centenas de policiais militares e vou continuar defendendo, não adianta querer me vincular com a milícia, não tem absolutamente nada com milícia. Condecorei o Adriano há mais de 15 anos". Flávio afirmou que pediu, esta semana, para que o corpo do seu homenageado não fosse cremado porque tem indícios de tortura. “Pelo que soube, ele foi torturado. Para falar o quê? Com certeza nada contra nós. Porque não tem o que falar contra nós. Não tem envolvimento nenhum com milícia”.

Congresso em Foco procurou Flávio Bolsonaro, por meio de sua assessoria, mas ainda não houve retorno.

Autonomia do Banco Central avança e vai para o plenário do Senado

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!