Onyx diz a governadores que gestão Bolsonaro dará “passos atrás” para que sociedade possa avançar

A reunião do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e seus futuros ministros com 19 dos 27 governadores com mandato a partir de janeiro, além dos presidentes do Senado e da Câmara, Eunício Oliveira (MDB-CE) e Rodrigo Maia (DEM-RJ), entre outras autoridades, movimentou Brasília nesta quarta-feira (14). À parte o protagonismo do "superministro" da Economia (Fazenda e Planejamento), Paulo Guedes, o ministro extraordinário da transição de governo, deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que assumirá a Casa Civil em 2019, deu um recado aos gestores reunidos no Centro Cultura Banco do Brasil, em Brasília, quartel-general do período transitório: será preciso retroceder para, depois, avançar.

“No plano de governo de Jair Bolsonaro tem um conceito muito importante: o cidadão, quando chegar diante do governo federal, a princípio terá razão. E o governo que vá provar se o que ele diz não é verdade”, ensaiou Onyx, para em seguida entregar a estratégia bolsonarista.

“O outro conceito importante é que o governo dará um passo atrás para que a sociedade dê muitos passos à frente. Esse é um trabalho que está sendo coordenado pelo nosso futuro ministro da Economia, professor Paulo Guedes, e que vai fazer com que o Brasil avance, e avance muito”, acrescentou o futuro chefe da Casa Civil. Mais cedo, o próprio Bolsonaro havia dito que "medidas amargas" seriam necessárias para que estados e municípios, em parceria com o governo federal, superassem a crise econômica e o desequilíbrio das contas públicas.

Na sequência do discurso, que durou cerca de cinco minutos, Onyx repetiu o que o próprio Bolsonaro falava durante a corrida presidencial. “E o terceiro conceito é menos Brasília e mais Brasil. É o recurso que vai sair daqui, comandado pelo ministro da Economia diretamente para estados e municípios, sem intermediação. Nosso sonho é fazer um Brasil eficiente, fraterno e, acima de tudo, respeitando a Federação”, completou o deputado, depois de ter saudado “todos os governadores que nos honram com sua presença” e os colegas de Congresso, avisando que seria “muito objetivo”.

Ouça a íntegra do discurso:

 

Diante de representantes de partidos diversos, e de estados com as mais díspares realidades, Onyx também tentou dar ares de comprometimento social ao seu discurso. “Desde a Proclamação da República, o cidadão brasileiro, quando chega diante da autoridade pública, ele chega sob a égide da desconfiança. E aí ele tem que ter certidões, autorizações e por aí vai”, prosseguiu.

Onyx finalizou o discurso dirigindo-se especialmente aos governadores e exortando-os à realização de um sonho “não apenas de um grande país, mas de uma grande nação”. “Nós precisamos estar irmanados neste propósito. Talvez seja a melhor chance desde a fundação da República brasileira. E, com os senhores de parceiros, nós seguramente conseguiremos fazer do Brasil uma grande nação”, concluiu o deputado.

>> Acusado de receber dinheiro de caixa dois, Onyx diz que jornal quer “terceiro turno”

Como este site mostrou ontem (quarta, 14), coube a Paulo Guedes o privilégio de fazer o pronunciamento final do evento, honra que normalmente cabe à autoridade máxima presente. Bolsonaro, no entanto, limitou-se a ouvir em silêncio o seu auxiliar apresentar em cores fortes, e sem retoques, o figurino que pretende impor ao Brasil.

Defendeu a “privatização acelerada”, o fim da “Bolsa-Empresário”, a redução de juros e a simplificação dos impostos. Em contrapartida, acenou com a garantia de mais dinheiro para os governos estaduais, ressaltando que o objetivo é “descentralizar o recurso” e colocar “o dinheiro onde o povo está”. Condicionou tal descentralização à ajuda dos governadores na aprovação das reformas administrativa e da Previdência e de outras medidas econômicas que serão submetidas ao Congresso.

 

>> Estados e país vão sofrer se reformas não forem aprovadas, diz Paulo Guedes a governadores

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!