Bolsonaro veta divulgação antecipada de detalhes de novo programa social

O presidente Jair Bolsonaro impôs uma mudança na estratégia praticada pela equipe econômica do governo sobre a criação de um novo programa social que substituiria o Bolsa Família.

Após Bolsonaro ameaçar “dar um cartão vermelho” para quem falasse em cortar outros benefícios sociais para financiar o novo projeto, como fez o secretário da Fazenda, Waldery Rodrigues, em entrevista ao G1, o governo agora evita dar detalhes da iniciativa como a fonte de receita e o tamanho do programa.

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

Nesta terça-feira (22), o presidente passou a manhã reunido com os ministros Paulo Guedes (Economia), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Walter Braga Netto (Casa Civil), com os líderes do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), e no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB), e com o relator do orçamento de 2021, senador Márcio Bittar (MDB-AC).

Um dos participantes do encontro confirmou ao Congresso em Foco que o Planalto não vai divulgar detalhes do novo Bolsa Família. “Ideia é só dizer se estiver pronto”, disse sob a condição de anonimato.

Durante live da Necton Investimentos na semana passada, Ricardo Barros afirmou que a intenção é que o programa seja financiado por meio de desvinculação de fundos e desindexação de algumas despesas obrigatórias, mas ainda não há informações de quanto isso pode gerar de receita porque vai depender dos fundos a serem desvinculados e das despesas a serem desindexadas.

> Presidente da Comissão do Orçamento cobra do governo recursos para renda mínima

Governo quer reforma tributária aprovada pela Câmara em outubro

CPMF

Além de um novo programa social, outra meta do governo no Congresso é enviar o restante de sua participação na reforma tributária, que vai ser centrada em um imposto sobre transações digitais e desoneração na folha.

Na semana passada, o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, disse que uma ideia avaliada é criar um período de transição para que o novo tributo seja aplicado. “Nós estamos trabalhando com o presidente Rodrigo Maia para fazer esse imposto por um período de transição de seis anos”, disse durante live promovida pela Genial Investimentos.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem forte resistência em relação a criação de um novo imposto. Barros tenta negociar mudanças para a iniciativa ser melhor aceita.

“Estamos fazendo um estudo também para mostrar que esse imposto é mais justo do que a tributação na folha de pagamento. É preciso de elementos de convencimento para que ele [Rodrigo Maia] possa mudar de posição”.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, já disse que o governo não vai promover uma desoneração sem que haja a criação de um imposto sobre transações.

“Novo imposto ou imposto de transações digitais ou sei lá qual nome vai ser dado é para financiar a desoneração da folha. É desejo do presidente Bolsonaro desonerar a folha”, disse Ricardo Barros.

> Reforma administrativa geral poderia dobrar economia, diz mentor da proposta

 

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!