PPS anuncia desembarque da base de Rollemberg com o aval de Cristovam Buarque

Partido vai para a oposição ao governo do PSB. Segundo o senador Cristovam Buarque, as relações políticas com Rollemberg são muito difíceis e o objetivo maior da legenda são as próximas eleições

 

O PPS anunciou nesta quarta-feira (8) o desembarque da base do governo de Rodrigo Rollemberg no Distrito Federal. A decisão tem o aval do senador Cristovam Buarque (DF) que foi pessoalmente à Câmara Legislativa anunciar a saída. Segundo o parlamentar, o objetivo maior da legenda são as eleições de 2018.

Entre críticas à atuação de Rodrigo Rollemberg à frente do Palácio do Buriti, Cristovam destacou que as relações políticas com o governador são muito difíceis. "Cheguei a tentar uma aproximação", contou o senador ressaltando que não teve êxito na iniciativa. Vale ressaltar que Cristovam apoiou Rollemberg diretamente nas eleições de 2014.

Segundo o Palácio do Buriti, "não é novidade alguma o anúncio feito hoje pelo senador Cristovam Buarque". O governo ressaltou, ainda, que o PPS está na posição "desde o momento que a Câmara Legislativa não aprovou a emenda da reeleição da deputada Celina Leão (PPS) e que o senador Cristovam se afastou do governo, apesar de todas as tentativas de diálogo".

Apesar do foco em 2018, Cristovam afirmou que não está definido se o PPS terá um candidato próprio no pleito. A legenda, segundo ele, busca alguém com perfil progressista e ligado à nova esquerda. "Filipelli nunca participou deste bloco", alertou sobre a possibilidade do partido apoiar o já pré-candidato Tadeu Filipelli (PMDB), ex-vice-governador do DF.

Comissões

A decisão do PPS foi tomada em meio à uma intensa discussão na Câmara Legislativa sobre a composição das comissões da Casa. O partido, já atuando como oposição, contribuiu para a eleição de Joe Valle (PDT) para a presidência do Legislativo – a contragosto de Rollemberg. Agora, nas eleições para presidência das comissões, o governo está fortalecido e tende a dar o troco na oposição.

Sem acordo e embaraçado pelas ações do Executivo, a Câmara segue sem um prazo para compor os colegiados. Consequentemente, os trabalhos na Casa estão parados – já que todas as pautas precisam tramitar pelas comissões. Nesta quarta-feira (8), por exemplo, a sessão em plenário que antecedeu o anúncio do PPS durou menos de 30 minutos e nenhuma matéria foi apreciada pelos parlamentares.

Leia a íntegra da nota enviada pelo governador:

"Não é novidade alguma o anúncio feito hoje pelo senador Cristovam Buarque. Há muito que os parlamentares do PPS já fazem oposição ao governo. Isso ocorre desde o momento que a Câmara Legislativa não aprovou a emenda da reeleição da deputada Celina Leão e que o senador Cristovam se afastou do governo, apesar de todas as tentativas de diálogo. Espero que a decisão do senador não seja de oposição a Brasília."

Mais sobre Brasília

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!