PP ameaça deixar Dilma na reta final do impeachment

Partido aliado ocupa ministério e muitos cargos de segundo escalão, mas a maioria da bancada faz pressão pela deposição. Líder da legenda e ministro de Dilma entre 2012 e 2014, Aguinaldo Ribeiro votou a favor da ex-chefe na Comissão do Impeachment

Responsável pelo ministério da Integração e com a promessa de empossar um dos seus parlamentares nomeado para o ministério da Saúde, além de dezenas de cargos federais espalhados em vários estados, o Partido Progressista (PP) dá sinais de que está abandonando a presidente Dilma Rousseff na guerra do impeachment. A bancada de 47 deputados do partido se reúne na tarde desta terça-feira (12) para decidir se obriga ou não seus parlamentares a votar pela abertura de processo contra a presidente por crime de responsabilidade.

Leia também:

Governo negocia cargos estratégicos por votos contra impeachment

O partido ocupa o Ministério da Integração Nacional, com Gilberto Occhi (que não é parlamentar, mas compõe o Executivo na cota do PP). Nas negociações em curso, o Planalto considera entregar a pasta da Saúde, hoje ocupada pelo deputado peemedebista Marcelo Castro, para que o comando do PP indique um nome em troca de voto contra o impeachment em plenário.

O Palácio do Planalto contava até esta manhã com metade dos votos da bancada do PP. Mas cresce a pressão para que os deputados sejam obrigados a votar de acordo com uma maioria pró-impeachment. Na reunião da comissão processante na segunda-feira (11), o líder do partido na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PB), liberou a bancada, mesmo tendo votado contra o relatório do deputado Jovair Arantes (PTB-GO). Ex-ministro das Cidades, pasta que chefiou entre fevereiro de 2012 e março de 2014, Ribeiro defende que, para a votação em plenário, a bancada seja novamente liberada e não forçada a votar como quer a maioria, pela saída de Dilma.

Entre os deputados pró-impeachment está Paulo Maluf (SP). No início do processo ele tinha dado sinais de que apoiaria o governo. Há uma semana mudou de ideia e votou pela abertura de processo de impeachment na comissão.

A banda oposicionista do PP engrossou uma reunião do comitê pró-impeachment desta manhã, que contabilizou 340 deputados a favor do impeachment. Se for verdadeiro esse número, falta apenas dois votos para que a presidente seja derrotada no Plenário da Câmara e, com a admissibilidade do processo definitivamente aprovada, comece a ser processada pelo Senado – o que implica afastamento imediato de 180 dias.

O comitê pró-governo contesta esse levantamento e garante que o grupo anti-impeachment já chega perto de 200 deputados.

Leia mais:
Governo negocia cargos estratégicos por votos contra impeachment

Mais sobre impeachment

Mais sobre crise na base

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!