Lava Jato manipulou impeachment de Dilma, diz Aloysio Nunes

O ex-senador Aloysio Nunes (SP), que defendeu o impeachment de Dilma Rousseff e foi chanceler do governo Temer, revelou em entrevista publicada pela Folha de São Paulo nesta sexta-feira (27) que reviu algumas opiniões sobre o afastamento da petista diante da divulgação de mensagens atribuídas a procuradores da Lava Jato pelo site The Intercept. Ele acredita que houve "manipulação política do impeachment" com a divulgação, por parte da Lava Jato, de diálogos entre Lula e Dilma.

> Janot sobre Gilmar Mendes: “Ia matar ele e me suicidar”

"O Supremo Tribunal Federal acabou por barrar a posse do Lula [como ministro de Dilma] com base em uma divulgação parcial de diálogo, feita por eles, Moro e seus subordinados, do Ministério Público. Eles manipularam o impeachment, venderam peixe podre para o Supremo Tribunal Federal. Isso é muito grave", afirmou, admitindo que o PSDB explorou esses diálogos à época. "Eu fui a favor do impeachment. [...] Como uma presidente não consegue ter 173 votos para barrar o impeachment, que praticou atos que, à luz da própria legislação, constituiu crime de responsabilidade, não havia como a manter no poder", argumentou.

Alvo da Lava Jato, Nunes não poupou críticas à operação e indicou que o caso de Dilma não foi a única decisão duvidosa da Lava Jato. Ele coloca em dúvida, inclusive, a delação do ex-presidente da OAS, Leo Pinheiro, que levou a sua investigação. "Acho que os diálogos divulgados pelo Intercept e por vários veículos, entre os quais a Folha, carimbam muitos desses procedimentos de absoluta ilegitimidade", afirmou, falando até da conduta do então juiz Sergio Moro e dos procuradores de Curitiba. "Não é possível, em um processo judicial, em um país civilizado, um juiz e os procuradores se comportarem da forma como se comportaram. Processo judicial exige um juiz independente, imparcial, que dê iguais oportunidades tanto à defesa quanto ao Estado provarem seus argumentos", acrescentou Nunes.

> Maioria do STF vota favorável a tese que pode beneficiar Lula

Por fim, o ex-senador indicou que não concorda mais com a própria afirmação, de 2016, de que ninguém poderia barrar a Lava Jato e cobrou providências sobre os fatos divulgados pelo Intercept. "Depois das revelações, eu fico profundamente chocado com o que aconteceu na Lava Jato. Acho que o Supremo tinha que tomar providências, uma vez que o Conselho Nacional de Justiça não sei se tomará", disse.

> Lançamos nosso primeiro crowdfunding. Contribua para o jornalismo independente!

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!