Atriz Tássia Camargo pede doação de comida para Dilma e recebe críticas

Em vídeo que circula nas redes sociais desde ontem, artista critica corte temporário do vale-alimentação da petista e convoca seguidores a levar comida para a presidente afastada “em nome da democracia”. Pedido é alvo de críticas nas redes sociais

Em um vídeo que circula nas redes sociais desde ontem, a atriz Tássia Camargo pede doação de alimentos para a presidente afastada Dilma Rousseff “em nome da democracia”. A atriz critica o corte temporário do vale-alimentação concedido à petista pelo presidente interino Michel Temer e afirma que Dilma é uma exilada política.

“Já está em todos os jornais que o vice, Temer, tirou o avião e a comida da presidenta Dilma. Ela ainda é presidente do Brasil. Ela ainda não foi julgada, apesar deles estarem apressando esse julgamento e não dando chance de defesa: golpe”, diz.

A atriz continua: “Ela está sendo exilada. Então, internacionalmente, isso para o vice, Temer, é uma bomba na cabeça dele. Vamos levar comida para a presidente Dilma. É um pedido que faço em nome da democracia, em nome do nosso voto. Se você concorda, por favor, compartilha ou faça seu vídeo. Exílio não, golpe nunca mais, volta, querida e fora, Temer. Muito obrigada e uma boa tarde”.

Veja o vídeo:

Críticas

O pedido de Tássia Camargo causou polêmica. “Esse vídeo é ridículo. Dizer que é golpe ... exílio .... deixa de ser mentirosa  .... pedir comidinha pra Dilma que recebe salário de mais de 15.000,00 / mês ... tenha dó né”, escreveu um internauta no Youtube. “Seria ridículo se não fosse um insulto aos mais de 10 milhões de brasileiros que vivem abaixo da linha da pobreza, morrendo de fome quantitativa por falta absoluta de alimentos, de doenças tratáveis por falta de hospitais e de falta de cidadania por falta de escolas”, escreveu outro.

Em resposta a alguns dos ataques que recebeu, Tássia disse que pretende ajudar muita gente com o dinheiro que espera ganhar em ações na Justiça. O alvo dela são as publicações que atribuem a ela captação milionária de recursos com base na Lei Rouanet. “Com o dinheiro que vou ganhar nos processos, dará para ajudar mais ainda muitos lugares que sempre colaboro desde sempre como: muitas favelas etc etc etc e que não divulgo nunca. Meus advogados tomarão providências quando as calúnias, entre outras coisas graves como até ameaça a estupro com mais de 40 homens”, escreveu em sua página no Facebook.

Segundo a Folha de S.Paulo, o Planalto diz que o cartão de Dilma já foi reabastecido e que a presidente afastada pode fazer compras para o Palácio da Alvorada, onde vive. Ainda de acordo com o jornal, a Presidência informou que a petista e seus assessores gastaram R$ 280 mil entre janeiro e maio com o cartão de suprimento de despesas com alimentação, média de R$ 62 mil mensais. A assessoria da presidente afastada anunciou que ela tomará providências para apurar o vazamento de informações sigilosas sobre a segurança do palácio.

Afastada do mandato desde o dia 12 de maio, Dilma continua recebendo salário de R$ 31 mil e a morar no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência. Também tem direito a manter uma equipe do gabinete pessoal, apoio à saúde, carros e motoristas. A presidente afastada pretende recorrer ao Supremo Tribunal Federal para poder voar em avião da FAB por todo o território nacional. O atual governo restringiu esse benefício aos deslocamentos entre Brasília e Porto Alegre, cidade onde vive sua família. De acordo com a legislação, Dilma ficará afastada do cargo por até 180 dias, período em que o julgamento definitivo deve ser realizado pelos senadores.

Mais sobre Dilma

Mais sobre crise brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!