“Vai ser ótimo”, prevê Maia sobre desempenho do DEM no segundo turno

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse estar confiante com os resultados do DEM no segundo turno. Após arrebatar três prefeituras já no primeiro, a legenda pode conquistar mais sete cidades neste domingo (29).

> DEM alcança protagonismo inédito e sonha mais alto para 2022

"Tivemos um ótimo resultado no primeiro turno e acho que agora o DEM vai se sair ótimo também. Acho que aqui no Rio vai ser bastante contundente, reafirmando a importância do nosso partido e do nosso candidato Eduardo Paes e do João em São João do Meriti", disse na manhã de hoje.

Nas duas cidades, pesquisas apontam vantagem para os candidatos demistas. No Rio de Janeiro, Paes tem mais que o dobro das intenções de voto de Marcelo Crivella (Republicanos). Em Meriti, Dr. João tem 46,7%, frente aos 26% de Léo Vieira (PSC).

"Quero falar da importância da vitória do Eduardo e o que isso pode significar depois de abertas as urnas e da minha surpresa com a atitude do prefeito Crivella, que parecia um pastor e pareceu mais no final um diabo. Tanto a agressividade, tanto as mentiras, fake news, uma pena ver um pastor de uma Igreja tomar o seu corpo de tanto ódio. Vamos esperar a abertura das urnas, a eleição não está resolvida, mas espero que, se as pesquisas estiverem certas, que ele vá para dentro da Igreja, volte a orar, fale com Deus e volte a ser o pastor que sempre foi. Que tire o ódio do seu coração", vaticinou.

Eleição das Mesas

Maia reforçou que não é candidato à reeleição para presidência da Câmara. "O Brasil neste momento não tinha que estar vendo eleição nem na Câmara nem no Senado, mas a agenda do Congresso Nacional. Esperamos que hoje a noite, a partir das urnas fechadas, que o governo apresente quais são suas propostas para organizar as contas públicas brasileiras, porque estamos esperando isso desde antes do primeiro turno", disse.

O deputado afirmou que o tempo para votações de está curto e que há "problemas graves a serem enfrentados e resolvidos", não só "pelo crescimento do endividamento e do déficit público, mas pela necessidade de aprovação de orçamento dentro do teto de gastos", disse.

"Antes da eleição para Câmara e o Senado nós temos um número importante de emendas constitucionais e projetos que precisam ser aprovados e essa deveria ser a prioridade de todos nós. A eleição para Câmara e Senado tem gerado mais conflito que solução. Não entendi porque o governo resolveu antecipar esse processo político. Cada vez que o governos faz isso atrapalha a própria pauta do governo dentro do Congresso Nacional", disparou.

O Supremo Tribunal Federal (STF) agendou para 4 de dezembro o início da julgamento sobre a reeleição de presidentes da Câmara e do Senado dentro da mesma legislatura. A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6.524, pela qual o PTB contesta essa possibilidade, será julgada em plenário virtual, até o dia 11 de dezembro. A ação é relatada pelo ministro Gilmar Mendes.

> STF marca data do julgamento da ação sobre reeleição de Davi e Maia

 

Continuar lendo