DEM alcança protagonismo inédito e sonha mais alto para 2022

Desde que deixou de ser PFL em 2007 e estrou nas urnas em 2008, o DEM elegeu sempre cinco prefeitos nos municípios com mais de 200 mil eleitores. Este ano, porém, a marca foi alcançada já no primeiro turno e tem tudo para ser superada neste domingo. O partido, que  ganhou no último dia 15 em Curitiba, com Rafael Greca, em Florianópolis, com Gean Loureiro, e em Salvador, com Bruno Reis, é franco favorito na única capital que disputa neste segundo turno, o Rio de Janeiro, onde o ex-prefeito Eduardo Paes tem ampla vantagem sobre o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos). Nenhuma sigla elegeu tantos prefeitos em capitais quanto o DEM no primeiro turno.

Além das capitais, o partido dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (AP), disputa mais seis prefeituras em cidades com mais de 200 mil eleitores neste domingo:

Cidade Candidato Candidato
Contagem (MG) Marília (PT) Felipe Saliba (DEM)
Santarém (PA) Maria (PT) Nelio Aguiar (DEM)
São João do Meriti (RJ) Leo Vieira (PSC) Dr. João (DEM)
Blumenau (SC) Mario Hildebrandt (Podemos) João Paulo Kleinubing (DEM)
Bauru (SP) Suéllen Rossim (Patriota) Dr. Raul (DEM)
Piracicaba (SP) Barjas Negri (PSDB) Luciano Almeida (DEM)

 

Outra capital ainda vislumbrada pelo partido é Macapá (AP), cuja disputa foi adiada para dezembro por causa da crise energética. Lá o DEM concorre com Josiel Alcolumbre, irmão do presidente do Senado. Se eleger todos os nomes em disputa, inclusive Josiel, o DEM poderá igualar a marca alcançada pelo PFL nas eleições de 1996 e 2000, quando fez 12 prefeitos nos municípios com mais de 200 mil eleitores.

Em 2004, já em declínio, um dos motivos de ter decidido mudar de roupagem e nome, o partido conquistou o comando de seis dessas cidades - metade das duas eleições anteriores.

O DEM ainda tenta se manter à frente das duas Casas do Congresso, posição que o credencia a sonhar mais alto nas eleições de 2022, seja encabeçando uma chapa, seja assumindo como vice de um candidato competitivo. Maia é cotado nome forte para compor uma chapa de centro-direita. O presidente do partido, o prefeito de Salvador, ACM Neto, teve facilidade para eleger seu sucessor, Bruno Reis, e é nome forte para concorrer ao governo da Bahia ou ao Senado.

O Supremo Tribunal Federal (STF) agendou para 4 de dezembro o início da julgamento sobre a reeleição de presidentes da Câmara e do Senado dentro da mesma legislatura. A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6.524, pela qual o PTB contesta essa possibilidade, será julgada em plenário virtual, sob relatoria do ministro Gilmar Mendes. Caso o Supremo libere a possibilidade de reeleição, Davi é nome certo para tentar renovar o mandato. Rodrigo Maia ainda desconversa e nega a pretensão de continuar à frente da Casa. Mas a hipótese de se candidatar novamente não está descartada definitivamente.

> STF marca data do julgamento da ação sobre reeleição de Davi e Maia

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!