PSDB frustra Doria e reconduz Bruno Araújo à presidência

O governador de São Paulo, João Doria, sofreu nesta sexta-feira (12) uma derrota interna no PSDB. Por unanimidade, a executiva do partido decidiu referendar os ofícios assinados pelos diretórios estaduais e pelas bancadas da Câmara e do Senado pela permanência de Bruno Araújo à frente da sigla.

Doria pretendia assumir a presidência do PSDB como forma de aumentar seu poder interno e impulsionar sua candidatura à Presidência da República em 2022.

A decisão dos tucanos fortalece o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, que tem sido incentivado por adversários de Doria a se lançar ao Planalto. Nesta quinta-feira (11), Eduardo Leite recebeu o apelo de 13 deputados e de um senador, de diversos estados do país, para que percorresse o Brasil e se apresentasse como pré-candidato ao Planalto. Foi o primeiro ato prático contra uma possibilidade de Doria estabelecer uma hegemonia no partido.

O conteúdo deste texto foi publicado antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

Na Câmara, o governador paulista enfrenta resistência do grupo liderado por Aécio Neves (PSDB-MG). O deputado mineiro faz parte de uma ala que tem defendido maior aproximação com o governo de Jair Bolsonaro.

O mineiro está pressionando a legenda para que promova prévias internas para a escolha do candidato ao Planalto. O esforço, que Aécio fez em manifestação formal ao presidente do partido, Bruno Araujo, foi confirmado por uma fonte dentro do partido ao Congresso em Foco.  A Executiva Nacional do PSDB vai analisar o requerimento de Aécio para que haja prévias.

Como os líderes estaduais do PSDB já haviam demonstrado certa contrariedade ao nome de Doria, a ideia de prévias, caso aceita, poderia minar os planos do governador paulista.

Apoio de senadores

Em nota, os senadores tucanos declararam apoio à recondução de Bruno Araújo. "Com a decisão, o partido seguirá mantendo a democracia interna e a convergência na busca de soluções para que o País possa vencer a pandemia e retomar o crescimento com justiça social", defendem os senadores.

Aliado de Aécio, o deputado Celso Sabino (PA) diz que Doria está cada vez mais isolado dentro do PSDB. "João Doria usa assessores pagos com dinheiro público para tentar me diminuir e atacar a todos que pensam diferente dele. Ele não sabe que maioria e liderança não se impõem, conquistam-se. E seus bajuladores não lhe permitem sentir o 'pulsar das ruas'. Seu séquito lhe cega. Por isso é crescente seu isolamento no partido. Se continuar agindo dessa forma, daqui a pouco só restarão seus funcionários para ouvi-lo. Todos estão cansados do seu egocentrismo", disparou pelo Twitter o deputado paraense.

> Após Doria tentar presidir PSDB, Leite diz que sigla não depende de uma pessoa

Continuar lendo