Colunistas

Lava Jato, Cachoeira e crise hídrica

Atribui-se a John Lennon a frase “pense global, aja local”. Seguindo essa linha, este artigo não discute exatamente a famosa operação da Polícia Federal – a Lava Jato. Tampouco trata do escândalo do bicheiro Carlos Cachoeira, que gerou prisões, CPIs, cassação de senador, mas agora parece dormente na consciência coletiva.

Precisamos conversar sobre nossas crises distritais. Falar sobre o que não se fala. A população do Distrito Federal, e das demais unidades federativas, deve se apropriar dos seus traumas locais. Sentir as próprias feridas para poder superá-las.

Poucos brasilienses debatem, por exemplo, o fato de o julgamento da deputada distrital Liliane Roriz, por compra de votos e falsidade ideológica, ter sido adiado pela terceira vez pelo Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal. Ainda menos brasilienses discutem o fato de que cada deputado distrital “possui” R$ 18,6 milhões em emendas ao orçamento anual para direcionar livremente. Esse valor, inclusive, é maior do que o disponível aos deputados federais – R$ 15,3 milhões anuais (por quê?).

Carlos Gandra/CLDF
Carlos Gandra/CLDF

Decisão que pode tornar Liliane Roriz inelegível já foi adiada três vezes

É verdade, porém, que a maioria dos brasilienses percebeu o aumento das passagens do transporte público promovida pelo Poder Executivo. Mas poucos souberam que o aumento se deu sem justificativas mínimas, com apresentação de dados claros, o que gerou a contrariedade da Câmara Legislativa e de diversos grupos sociais. Esses são temas de altíssima relevância que, no ardor dos escândalos nacionais, ficam escanteados da discussão política. São assuntos que pedem fiscalização permanente da sociedade.

Quanto à crise hídrica pela qual passa o DF, é preciso discutir se a fiscalização permanente poderia ter evitado esse cenário de escassez crítica. É possível perguntar, por exemplo: onde estavam as agências de fiscalização da água, a Comissão de Meio Ambiente da CLDF (que atende pela sigla CDESCTMAT) e os relatórios diários da Caesb há, pelo menos, um ano?

De forma semelhante, a outra crise do DF, a financeira, também não surgiu em um réveillon. Foi consequência de anos de má gestão fiscal e financeira dos recursos públicos. Todos vimos a construção mirabolante de um novo estádio num DF com déficit de 5,7 mil professores, de mais de 6 mil médicos e de clubes de futebol na série A (problema menos grave, é verdade). Agora vemos, calmamente, a instalação de uma TV Legislativa que prevê para este ano custo de R$ 2,3 milhões.

Em todos esses casos, o olhar atento e crítico do cidadão poderia ter feito a diferença. A fiscalização popular deve ser atual e concomitante. O que vem depois do gasto é choro e ranger de dentes.

É por isso que o Observatório Social de Brasília se compromete a ser um fiscal permanente da gestão pública e permeável à participação popular. Pensando global e agindo local para evitar futuras crises hídricas, fiscais e também morais. Deixar de acompanhar a política nacional, jamais. Mas ficar atento, na mesma proporção e com semelhante entusiasmo, aos problemas aqui do nosso quadradinho.

Mais sobre Brasília

Continuar lendo

Sobre o autor

Guilherme Brandão

Guilherme Brandão

Diretor do Observatório Social de Brasília, advogado, servidor federal, especialista em Orçamento Público, mestrando em Ciência Política e empreendedor cívico.

Outros textos de Guilherme Brandão.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade