TJ aceita denúncia e cinco deputados se tornam réus na Operação Drácon

Reprodução

Câmara Legislativa foi alvo de operações de busca e apreensão

 

O Conselho Especial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) decidiu tornar réus os cinco deputados distritais denunciados pela Operação Drácon – que apura suspeita de corrupção passiva por parte dos parlamentares. Celina Leão (PPS), Raimundo Ribeiro (PPS), Julio Cesar (PRB), Bispo Renato Andrade (PR) e Cristiano Araújo (PSD) negam as acusações. Autor da denúncia, o Ministério Público do DF defende que eles sejam proibidos até mesmo de entrar na Câmara.

O Conselho foi unânime em aceitar a denúncia contra Celina, Júlio Cesar, Bisco Renato e Araújo, mas a votação em relação a Ribeiro terminou em 12 a 5 votos. Dos 21 membros do Conselho Especial, apenas 18 estiveram presentes. Não estiveram presentes os desembargadores Fernando Habibe, Silvanio Barbosa dos Santos e Waldir Leôncio Júnior. O fato de se tornarem réus não atesta que os deputados sejam culpados. Significa, porém, que o Tribunal de Justiça recebeu a denúncia do Ministério Público e vai analisar o caso ao longo da ação.

Manifestantes contra e a favor dos deputados protestaram no TJ do DF

O relator do caso no Conselho Especial, José Divino, foi o primeiro a defender a aceitação da denúncia. Ele leu trechos dos áudios gravados nos gabinetes dos deputados envolvidos, assim como aqueles gravados por Liliane Roriz (PTB) que deram origem à denúncia. O desembargador Roberval Belinati, por sua vez, defendeu a operação e afirmou que a Drácon “descortinou um esquema de corrupção envolvendo deputados distritais e servidores”.

Do lado de fora, grupo contrários e favoráveis aos deputados investigados protestavam e gritavam palavras de ordem. Apenas Celina Leão e Raimundo Ribeiro estiveram no julgamento. Cristiano Araújo, Julio Cesar e Bispo Renato enviaram os advogados.

O caso de Raimundo Ribeiro foi considerado diferente por alguns desembargadores, que defenderam até mesmo que o deputado não se tornasse réu. Porém, apenas cinco desembargadores encaparam a tese que aliviaria o parlamentar, o que o colocou na mesma situação dos colegas.

Procurados, os deputados envolvidos ainda não se posicionaram sobre o acolhimento da denúncia.

Aguarde mais informações

Mais sobre Operação Drácon

Continuar lendo

Publicidade Publicidade