O jeito Congresso em Foco de enfrentar a pandemia

Esses últimos dias têm sido de muito trabalho, muita tensão e muita correria para quem atua como jornalista. Assim como profissionais de saúde, servidores públicos e tantos outros trabalhadores de serviços essenciais que agora colocam a vida em risco para minimizar os estragos causados pela pandemia, colegas se veem na condição de transitar por áreas de risco ou com aglomeração.

Daqui enviamos saudações a tais profissionais, nos quais muitas vezes confiamos para entregar a você a melhor imagem ou as informações mais fidedignas, obtidas por quem registra in loco os desdobramentos do quadro sanitário enfrentado pelo país. Sabemos que emissoras de TV, grandes redações, serviços privados e públicos de comunicação, muitas vezes, não têm outra alternativa a não ser manter pelo menos parte de suas equipes “na trincheira”.

Optamos por outro caminho. Ainda que isso gere prejuízo à qualidade final do que publicamos, desde 12 de março estamos trabalhando em regime de home office. Curiosamente, tal iniciativa, assim como o empenho de uma equipe de altíssimo nível profissional, gerou correntes de solidariedade e apoio que têm nos ajudado a obter informações ricas, atualizadas, frequentemente exclusivas, obtidas por telefone, videoconferência e diferentes ferramentas digitais.

Entre a mais retumbante das manchetes e a possibilidade de preservar uma vida, apenas uma vida, ficamos com essa última.

Apoiados nessa condição privilegiada, que sabemos não poder ser aplicada a todos ou a todos os casos, aderimos, esperamos que com antecedência segura para a nossa equipe e seus familiares, ao #FiquemEmCasa. Assim estamos. E assim pretendemos continuar até que estejamos livres dos riscos trazidos pela pandemia.

Faremos o máximo para assim permanecer, apesar das inúmeras dificuldades que o trabalho dentro de casa impõe. Para tornar a vida das pessoas que formam essa coisa estranha, e para nós mágica, chamada Congresso em Foco, garantimos a todos os 12 valentes integrantes da equipe garantia de emprego até 12 de setembro de 2020, na esperança de que a iniciativa lhes traga no mínimo um conforto: a garantia do salário após 30 dias de trabalho duro e profundamente estressante.

Segue documento adotado como guia para o nosso comportamento, sempre tendo como objetivo fundamental preservar vidas humanas. Entre a mais retumbante das manchetes e a possibilidade de preservar uma vida, apenas uma vida, ficamos com essa última. Temos convicção, fundada em princípios básicos de civilidade e do conceito de jornalismo cidadão que sempre nos inspirou, que é esta, para nós e talvez apenas para nós (dada, repito, a peculiaridade da situação que vivemos), de que isso é o melhor a fazer neste momento.

> Informações sempre atualizadas sobre a pandemia de covid-19 

> Poderá ser rápido processo de afastamento de Bolsonaro do poder

Saúde & Paz, para nós e para o Brasil

A pandemia de covid-19 traz desafios novos e inéditos que necessariamente mudarão a nossa forma de trabalhar nos próximos meses, por prazo neste momento impossível de prever.

O mergulho profundo na compreensão do tema, ao longo das quatro últimas semanas, nos autoriza a fazer as presentes recomendações, sem prejuízo do que prescrevem as autoridades de saúde. Em alguns casos, sugerimos normas mais rigorosas que as vigentes no plano nacional ou local, na certeza de que só temos a ganhar com a prudência.

A direção do Congresso em Foco estará à disposição para esclarecimentos adicionais ou para discutir eventuais aprimoramentos, sobretudo na hipótese de situações não previstas ou de novas recomendações, determinadas pela evolução da pandemia e do conhecimento científico a seu respeito.   

Seguem as normas de conduta que sugerimos em nome da segurança de cada um(a) de nós, das nossas famílias e do conjunto da sociedade.

Segurança com você e sua família

Avenida W3 Sul, em Brasília, praticamente vazia na manhã de terça (24).
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

  1. Ficam inteiramente vedadas e antecipadamente desautorizadas pelo Congresso em Foco reportagens, saídas fotográficas ou de vídeo, contatos comerciais e encontros externos de qualquer natureza em nome desta organização.
  2. O regime de trabalho em home office, iniciado em 12 de março de 2020, continuará pelo tempo que for necessário para garantir o que temos de mais importante: nossa vida e a vida dos nossos familiares. Precisamos estar com saúde para cumprir o nosso papel, nas diversas dimensões que ele envolve: a social, a jornalística, a empresarial, a tecnológica e, sobretudo desta vez, na dimensão humanitária.  
  3. Exceções à regra acima, se vierem a ocorrer, terão sempre de ser aprovadas pela direção, apoiadas no que o conhecimento científico tiver de mais avançado, providenciando-se para o/a profissional as melhores proteção e orientação possíveis. Não haverá exceção sem prévio conhecimento e aprovação por pelo menos 4 (quatro) integrantes da equipe, incluindo – sempre – a(s) pessoa(s) que eventualmente se dispuser(em) a cumprir o compromisso profissional em área externa.  
  4. Naturalmente, cada um(a) tem livre arbítrio, e pode fazer o que quiser fora do seu horário de trabalho. O Congresso em Foco sugere fortemente, no entanto, que seja respeitada uma lição aprendida nos países atingidos pela pandemia antes do Brasil: o isolamento social e a redução máxima das possibilidades de infecção viral são a única proteção efetiva contra o novo coronavírus, causador da síndrome respiratória conhecida pela sigla covid-19.
  5. Para sua segurança e das pessoas que residem com você, sugerimos que eventuais saídas externas – para abastecer a casa ou ir à farmácia, por exemplo – sejam raras e cercadas de cuidados. Algumas sugestões, baseadas na experiência internacional:
    1.  ao voltar, evite entrar em sua casa com o calçado usado em áreas externas. Pegue-o com cuidado, usando luvas ou qualquer outra proteção (como pano ou plástico), sem contato direto das mãos com qualquer superfície exposta a área externa.
    2. toda vez que sair de casa (e esperamos que isso seja o minimamente necessário nas próximas semanas), ponha para lavar as roupas que usou e tome um banho, lavando todas as partes do corpo, com especial atenção com as mãos.
    3. enquanto estiver fora da sua casa ou em qualquer ambiente inseguro se possível, proteja suas mãos com luvas, lembrando de depois lavar e passar álcool em gel nas mãos.
    4. desinfecte (ou descarte) embalagens de produtos e objetos comprados em supermercados, padarias, farmácias e outros estabelecimentos comerciais.
  6.  Não use ônibus e metrô. Se não tiver veículo particular, use preferencialmente táxis, que costumam ter menor rotatividade de passageiros do que carros de aplicativos.
  7. Carregue consigo álcool em gel e higienize as mãos após tocar em áreas possivelmente afetadas.
  8. Se tiver filh@s, sugerimos não permitir em nenhuma hipótese que saiam de casa. 
  9. Passeios com animais de estimação, caminhadas, corridas ao ar livre, “descidinhas” para fumar ou conversar com o porteiro são hábitos muito prazerosos, mas que infelizmente devemos a todo custo evitar enquanto a epidemia for um risco. 
  10. Evite consumir alimentos crus ou carnes mal passadas. 
  11. Peixarias, feiras livres, mercados úmidos são ambientes muito propícios à contaminação viral. Evite-os. 
  12. Jamais beije ou tenha contato facial com animais. Dê carinho, toque-os, mas não esqueça de lavar as mãos muito bem lavadas em seguida, passando em seguida álcool em gel. Nunca encoste as mãos no rosto após tocá-los se não tiver feito ainda essa higienização.
  13. Desinfecte sua casa. Dá algum trabalho, mas higieniza e aumenta a sua segurança. Para fazer isso, lave muito bem o piso e depois passe álcool 70 por toda a casa: paredes, móveis etc.
  14. Comunique a Gerência Administrativa se tiver dificuldades para adquirir quaisquer produtos ou equipamentos necessários à sua proteção. Faremos o possível para colaborar nisso, inclusive financeiramente quando for o caso. 
  15. Para o nosso bem e para o bem das muitas pessoas sujeitas ao trabalho presencial em razão dos setores de atividade em que atuam, vamos evitar comparar a nossa (relativamente privilegiada) situação com a situação delas. Vamos valorizá-las e apoiá-las, lembrando a todo tempo que o período no qual entramos é, acima de tudo, um teste da sanidade. Física e mental.
  16. Integrantes da equipe que passem por qualquer problema de saúde ou distúrbio psicológico devem comunicar o fato imediatamente à Gerência Administrativa, para que sejam prestadas as medidas cabíveis de assistência e apoio.
  17. Integrantes da equipe e/ou seus familiares que apresentarem sintomas ou suspeitas do Covid-19, devem comunicar o fato imediatamente à Gerência Administrativa, para que sejam prestadas as medidas cabíveis de assistência e apoio.  A recomendação, porém, nem sempre inclui uma ida imediata ao hospital. O Governo Federal recomenda que, para evitar idas desnecessárias às unidades médicas, quem não tiver febre e mais um sintoma da doença deve ligar para a ouvidoria do SUS (136) para receber orientações.
  18. Já se houver um caso de Covid-19 confirmado na equipe e/ou seus familiares, o empregado deve, além de comunicar o fato imediatamente à Gerência Administrativa, procurar as autoridades de saúde e seguir o protocolo exigido para essas circunstâncias. A Lei  nº 13.979/2020, sancionada em fevereiro, prevê políticas de exames obrigatórios, isolamento e quarentena para conter o coronavírus.
  19. Temos uma equipe de excelência e queremos mantê-la íntegra e sã. Ajude-nos a aperfeiçoar nossos procedimentos de saúde e segurança. 

Segurança com a sociedade

Senadores fazem sessão remota durante pandemia de covid-19.

  1. Neste momento de crise, a sociedade precisa muito de informação confiável e responsável. Nossa missão ganhou ainda maior relevo, e não podemos abdicar do papel de colocar à disposição das pessoas relatos bem apurados, claros e, tanto quanto possível, didáticos do que se passa, inclusive em relação à pandemia e seus efeitos. 
  2. Fica desde já vedada a mera reprodução de declarações quando o conhecimento disponível sobre o assunto indicar que elas são falsas ou duvidosas. Nessa hipótese, a declaração deverá ser publicada junto com o esclarecimento necessário – ou integralmente descartada.
  3. Contribuir para preservar vidas é, enquanto durar a pandemia, a nossa missão maior. Não temos o direito de publicar informação, imagem, título, manchete, card, post, gráfico, cartum ou qualquer peça editorial que induza ao pânico. Não divulgaremos projeções de casos ou óbitos, por mais qualificadas que sejam, a menos que fazer isso seja uma imperiosa necessidade para reportar manipulação estatística, falseamento da realidade ou ações que mereçam exposição pública por razões humanitárias. O nosso critério é simples: nenhuma manchete, nenhum clique no site justifica colocar a vida humana em risco. Casos duvidosos devem ser compartilhados e decididos por pelo menos 4 (quatro) integrantes da equipe, sempre ouvida a direção. 
  4. O Congresso em Foco estará em permanente atualização, buscando a melhor literatura existente, cientistas e especialistas da área, para nos atualizar sobre as melhores formas de nos proteger, proteger as outras pessoas e minimizar os danos da pandemia.
  5. Não nos furtaremos a prestar ajuda humanitária se alguma situação assim nos impuser. Nesta situação atípica, entendemos como aceitável e até recomendável o contato com as autoridades competentes para comunicar situações graves tendo como prioridade a preservação de vidas. De novo: entre a mais sensacional das manchetes e uma só vida em risco, tratemos de cuidar dessa, deixando aquela para um segundo momento.   
  6. Ferramentas digitais, sobretudo para uma empresa em profundo processo de renovação tecnológica como a nossa, abrem possibilidades infinitas de cobertura jornalística interessante e exclusiva. Testemos a nossa criatividade para fazer isso da melhor forma possível. 
  7. Somos, e assim queremos continuar a ser, uma empresa privada, com finalidades lucrativas. Empresas privadas financeiramente saudáveis e independentes formam um casamento comprovadamente feliz com o bom jornalismo. Nosso DNA nos impede, contudo, de lucrar com a tragédia alheia. Será considerada falta grave a exploração maliciosa, ou exagerada, de imagem, drama ou fato de que venhamos a tomar conhecimento, sobretudo quando a personagem em questão desautorizar o seu uso.
  8. Também consideramos falta grave a renúncia a socorro a pessoa ou grupo de pessoas em situação de risco. Nosso papel, insistimos, é relatar os fatos, mas é também agora contribuir para salvar vidas. 
  9. Lembramos que sempre que aproveitarmos textos, vídeos e fotos de uso público autorizado ou citarmos informação publicada originalmente por outro veículo, devemos citar tanto o nome do veículo quanto dos seus autores, a menos que o texto não esteja assinado. Imagens deverão ser sempre creditadas, inclusive em posts nas mídias sociais.
  10. Ficam mantidos os projetos de construção de índices, inteligência artificial e de jornalismo de dados em andamento, nos prazos previstos. Eventos serão repensados para ser realizados virtualmente, com brilho igual ou maior. Está descartada qualquer demissão na equipe até 12 de setembro. Vamos trabalhar até lá com espírito de união, solidariedade e a paz no coração de quem sabe estar do lado certo da história – o lado da ciência e do respeito à vida humana.

Os desafios são imensos e temos muito a fazer. Que a dimensão da tarefa seja fator de estímulo para fazermos o melhor neste momento em que informação de qualidade é um dos produtos mais demandados.

> Informações sempre atualizadas sobre a pandemia de covid-19 

> Poderá ser rápido processo de afastamento de Bolsonaro do poder

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!