Manaus reabre comércio e prefeito critica: “vamos reabrir sem ter fechado”

O governo do estado do Amazonas começoou a implementar nesta segunda-feira (1) o plano de reabertura do comércio no estado, inclusive na capital, Manaus. Com mais de 2 mil óbitos, o Amazonas é o estado brasileiro que mais tem mortos pela covid-19, na comparação por 100 mil habitantes.

Segundo registros da imprensa local, o primeiro dia de reabertura foi marcado por aglomerações no centro da capital.

> Brasil se aproxima de 30 mil mortes e supera 500 mil casos de covid-19

O plano do governo estadual é dividido em quatro fases e nesta segunda-feira, data de início da primeira fase, os seguintes estabelecimentos puderam abrir: igrejas e templos, joalherias e relojoarias, serviços de publicidade e afins, floriculturas, bancas de revista, entre outros.

O último estágio da reabertura está previsto para o dia 6 de julho, quando serão reabertas as instituições de ensino e os cinemas.

Evolução dos casos de covid-19 em Manaus

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB) disse ser contra o decreto do governador Wilson Lima (PSC) que permitiu a reabertura do comércio. Apesar das críticas, o prefeito não editou um decreto municipal contrariando o plano estadual. Virgílio usou o Twitter para dizer que a cidade vai reabrir sem nunca de fato ter fechado.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!