Onze anos que mudaram Minas

Daqui a pouco mais de um mês estaremos completando 11 anos da posse de Aécio Neves como governador de Minas. Poucos governos em nossa história transformaram de maneira tão profunda a realidade. Na boa trilha de João Pinheiro e JK, construiu-se um ambiente caracterizado por mudanças consistentes nas políticas sociais e na infraestrutura para o desenvolvimento. O governador Anastasia, figura central nos dois primeiros mandatos, garantiu a continuidade do projeto, avançando e inovando.

As políticas públicas não devem ser julgadas pela retórica oficial e nem pelas intenções dos atores em cena, mas por seus resultados. Cabe registrar que o ciclo governamental liderado Aécio e Anastasia iniciou-se a partir de uma gravíssima crise fiscal. Não há êxito só a partir de boas ideias e boa capacidade de gestão. Sem um padrão de financiamento saudável não há programa de investimento e qualidade possíveis. O déficit orçamentário anual de R$ 2 bilhões resultava em atrasos com fornecedores e servidores. O equilíbrio fiscal foi alcançado já em 2004 através da estratégia que ficou conhecida como “Choque de Gestão”. O ajuste fiscal e a modernização da estrutura governamental não eram objetivo em si. Visavam preparar o terreno para grandes avanços nos setores essenciais que afetam o cotidiano da população mineira.

Hoje é possível olhar para trás e aquilatar os fantásticos resultados colhidos pela gestão estadual com o apoio da sociedade mineira.

Um bom termômetro da qualidade da gestão mineira é o nível de investimento. A baixa taxa de investimento (18,5% do PIB) é uma das grandes responsáveis pelo voo de galinha da economia brasileira. Minas, no entanto, fez sua parte. Em 2002, o governo de Minas investia apenas R$ 775 milhões. Em 2012, este número havia saltado para R$ 3,1 bilhões. Um crescimento de 310% contra uma inflação no período, medida pelo IPCA, de 61,6%. Mais do que o Rio (238%), Rio Grande do Sul (188%) e Paraná (56%). O crédito internacional e interno foi recuperado e os salários colocados em dia.

A economia mineira acompanhou o bom desempenho dos investimentos públicos estaduais. De 2002 a 2010, Minas teve o maior aumento no percentual dentro da economia brasileira. Passou de 8,6% do PIB brasileiro para 9,3%. Rio de Janeiro, São Paulo e a Região Sul viram decrescer sua fatia no conjunto de riquezas produzidas no Brasil. Mesmo sendo Minas uma síntese do país com enormes desigualdades regionais, saímos do 12º lugar para o 9º lugar no PIB per capita.

Consolidamos nossa posição privilegiada no agronegócio, fortalecendo a posição de maior produtor de café, leite, batata, reflorestamento e equinos. Também cristalizamos nossa liderança na indústria de bens intermediários, tais como cimento, ferro, aço, laminados e fosfato.

Nas próximas semanas, prosseguiremos na avaliação das políticas publicas estaduais que foram revolucionadas em Minas nos últimos 11 anos.

Outros textos sobre gestão pública

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!