É caro voar para Natal

Na qualidade de natalense praticante e torcedor do Alecrim Futebol Clube, não posso deixar de passar a vista no que se passa em terras potiguares. E eis que leio notícia veiculada pelo jornal Tribuna do Norte - empresa jornalística cujo diretor presidente é o deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que também preside a Câmara - que tenta explicar o preço surreal que o consumidor paga se quiser voar para a capital do Rio Grande do Norte.

A matéria faz a seguinte comparação: um voo de São Paulo para Fortaleza na quarta-feira (20 de fevereiro) sairia a razoáveis R$ 462. “Se a data for mantida e Fortaleza for substituída por Natal, esse valor sobe para R$ 1.322”, afirma o texto.

Os dados serviram pro pessoal ligado ao turismo pedir redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o preço do querosene de aviação (QAV). Menos ICMS no QAV, passagens mais baratas para Natal. “No fim de 2013, o Ceará reduziu o ICMS sobre o QAV de 30% para 12%”, complementa a matéria, que ainda aponta a retomada dos voos fretados como alternativa para o barateamento do preço das passagens.

Ouso dizer que quase tudo na vida brasileira passa pelo ICMS. E esse imposto é tão problemático que deve ter sido o responsável pela ideia de se criar um imposto único. Imaginar que um único tributo seria capaz de acabar com a guerra fiscal entre os estados e as reuniões do Conselho de Política Fazendária (Confaz) é uma proposta bastante sedutora.

Talvez, por essa razão, o ex-deputado Flávio Rocha (PRN-RN) propôs o imposto único – matéria que está pronta para votação no plenário da Câmara – e utilizou a expressão “manicômio tributário” para justificar sua medida.

Voltando ao preço das passagens aéreas para a cidade do Natal, aproveito o espaço privilegiado para fazer uma mera sugestão ao governo do Rio Grande do Norte, que têm competência para legislar sobre o ICMS naquelas bandas e é o único do país a ser comandado pelo DEM: faça jus às bandeiras liberais do velho PFL. Estimulem a concorrência, tenham fé no mercado e arrebentem os grilhões que fazem de Natal um destino caro demais.

Soube da história de uma turista que pretendia conhecer as praias natalenses em dezembro passado. Viu o preço e decidiu ir pra Londres, terra da Her Majesty Revenue and Customs. O órgão é responsável pela coleta de tributos da Rainha, mas também dá um belo nome para uma banda de rock.

Leia outros textos sobre impostos

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!