Trump faz encontro ampliado do G7 e exclui Brasil

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que deve ser adiado de julho para setembro a reunião dos países do G7. Trump é o anfitrião da reunião e afirmou que pretende convidar também os líderes da Rússia, Índia, Coreia do Sul e Austrália.

O chefe do Poder Executivo dos Estados Unidos não mencionou o Brasil na lista de convidados para a versão ampliada do grupo. Além dos EUA, também fazem parte do G7 Canadá, Japão, Alemanha, Inglaterra, Itália e França.

De acordo com o jornal Financial Times, a porta-voz do governo norte americano, Alyssa Farah, afirmou que a ideia do encontro expandido é discutir maneiras de negociar com a China.

A ação de Trump contrasta com que o governo de Jair Bolsonaro alega nas relações diplomáticas com Estados Unidos. Bolsonaro e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmam ter proximidade com a atual administração do país.

O chanceler brasileiro chegou a mencionar na reunião ministerial do dia 22 de abril que, após a pandemia do coronavírus, o Brasil estaria entre as cinco ou seis potências que influenciariam o rumo mundial.

Nesta segunda-feira (1), o presidente Jair Bolsonaro usou o Twitter para dizer que conversou com Trump sobre o G-7 expandido, "o qual o Brasil deverá integrar, bem como questões do aço brasileiro", afirmou.

>Financial Times: populismo de Jair Bolsonaro está conduzindo o país ao desastre

>EUA fechado para brasileiros. Somos o epicentro da crise, diz OMS

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!