Justiça censura matéria de revista após pedido de deputada bolsonarista

A Justiça do Distrito Federal censurou uma matéria da revista digital Crusoé a pedido da deputada bolsonarista Bia Kicis (PSL-DF). A reportagem publicada em 17 de julho mostrava como há entraves no Congresso para a aprovação da PEC da prisão em segunda instância. 

> Traição e isolamento: aliados divergem sobre saída de Bia Kicis de vice-liderança

Ela foi citada num trecho da reportagem que fala sobre a desmobilização da base bolsonarista a respeito do tema. Segundo informações da Crusoé, foi feito um levantamento no Twitter da deputada e nas mais de 3 mil publicações analisadas não havia nenhuma menção à proposta de prisão em segunda instância. Além disso, em nenhum dos 40 discursos da deputada na Câmara em 2020 o assunto esteve em pauta.

Na decisão o juiz Hilmar Castelo Branco Raposo Filho, da 21ª  Vara Cível de Brasília, afirmou que “o alegado dano à honra e imagem da autora é plausível diante da permanência dos conteúdos na forma como divulgados”.

Em seu Twitter, a deputada comemorou a decisão.

Após a Crusoé publicar uma matéria a determinação judicial, Bia Kicis criticou o uso do termo “censura”. 


 > Flávio Bolsonaro diz que não se lembra de comprar apartamento com dinheiro vivo


 

 

 

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!