Traição e isolamento: aliados divergem sobre saída de Bia Kicis de vice-liderança

Há diferentes versões entre aliados de Jair Bolsonaro para explicar a destituição da deputada Bia Kicis (PSL-DF) da vice-liderança do governo na Câmara. Para uns, a saída se deu pelo voto contrário na aprovação do Fundeb, para outros essa é uma manobra para afastar do presidente parlamentares mais radicais que têm gerado atritos com o Supremo Tribunal Federal. Outra explicação é o fato de o governo estar abrindo espaço para os novos aliados do Centrão.

> Governo dá liderança ao Centrão e irrita deputado bolsonarista

Segundo fonte próxima à deputada e ao presidente, o posicionamento de Bia foi visto como uma traição ao governo, já que ela participou de diversas reuniões da liderança para definir quais seriam os posicionamentos da base aliada e nunca se posicionou contrária a pauta.  "A preocupação dela quanto ao Fundeb era se iria entrar a parte do voucher", revelou a fonte.

O voucher em questão estava sendo chamado de voucher-creche, que destinaria 5% da contribuição federal no fundo para programas sociais. A questão foi derrotada na Câmara.

"Se ela ao menos tivesse ligado para o presidente e falado: 'Vou votar contra porque isso vai contra meus eleitores'. Mas não, ela não fez nem isso, foi uma traição", afirmou a fonte.

Por meio de nota, a equipe da deputada tentou minimizar a destituição e afirmou ao Congresso em Foco que Bia Kicis "votou de acordo com sua consciência. Seguiu o exemplo do presidente Jair Bolsonaro que, quando foi parlamentar, só votou de acordo com a consciência dele. Para a deputada, o presidente foi e continua sendo um modelo".

Em uma entrevista ao canal bolsonarista Terça Livre, entretanto, ela se queixou da atitude do presidente.

"Eu preciso dizer, com toda a humildade, que o governo perde muito. Vai ser difícil encontrar alguém que lute tanto pelo governo como eu luto. Fiquei triste mais como a forma como aconteceu [....] Eu poderia ser destituída se o Bolsonaro acha que eu não posso mais permanecer, mas ele poderia pelo menos dar uma ligada, porque ele fala assim: 'Pô, Bia, você é minha irmãzinha'".

Confronto com o STF

Na avaliação do deputado Otoni de Paula (PSC-RJ), aliado de primeira hora do presidente, a destituição não tem relação com a votação no Fundeb, mas é uma forma de blindar o presidente contra atritos  com o STF.

Há duas semanas, Bolsonaro já havia decidido remover da função os deputados Daniel Silveira (PSL-RJ) e Otonni de Paula (PSC-RJ). Os dois são envolvidos no inquérito que apura atos pró-ditadura e em outro que investiga disseminação de notícias falsas. Bia Kicis também é alvo dessas apurações. Foram escolhidos como novos vice-líderes os deputados do Centrão Maurício Dziedricki (PTB-RS) e Aluisio Mendes (PSC-MA). O cargo de Bia ainda está vago.

Há ainda uma articulação para substituir o líder do governo na Câmara, Vitor Hugo (PSL-GO), pelo deputado Ricardo Barros (PP-PR). 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!