Drauzio Varella responde a ataques por reportagem com detenta trans

Em uma reportagem sobre a situação de mulheres transexuais nos presídios brasileiros veiculada pela Rede Globo no domingo (1), o médico Drauzio Varella entrevistou uma detenta que relatou não receber visitas há sete anos. Após a revelação de Suzy, o médico a abraçou. O gesto repercutiu nas redes sociais: de um lado os que elogiaram a empatia do médico, do outro os que criticaram o tratamento dispensado a uma pessoa condenada pela Justiça. Neste domingo (8), foi divulgada a informação de que Suzy foi presa por estuprar e matar uma criança de 9 anos.

>Semana começa sob forte tensão entre Bolsonaro e Congresso. Veja a agenda

Diante dessa revelação, Drauzio Varella foi atacado nas redes sociais e o fato se tornou um dos assuntos mais comentados no Twitter no fim de semana. O médico emitiu uma nota comentando a reportagem. Veja algumas repercussões:

O programa Fantástico, onde o quadro foi exibido, na emissora Rede Globo divulgou uma nota apoiando a resposta dada pelo médico.

Veja a nota na íntegra:

“Há mais de 30 anos, frequento presídios, onde trato da saúde de detentos e detentas. Em todos os lugares em que pratico a Medicina, seja no meu consultório ou nas penitenciárias, não pergunto sobre o que meus pacientes possam ter feito de errado. Sigo essa conduta para que meu julgamento pessoal não me impeça de cumprir o juramento que fiz ao me tornar médico. No meu trabalho na televisão, sigo os mesmos princípios. No caso da reportagem veiculada pelo Fantástico na semana passada (1/3), não perguntei nada a respeito dos delitos cometidos pelas entrevistadas. Sou médico, não juiz.”

>CCJ do Senado se movimenta para tirar estados da PEC Emergencial

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!