Desmatamento cresceu 8,5% em 2018, aponta Inpe

A taxa anual de desmatamento da Amazônia Legal para o período entre agosto de 2017 e julho de 2018 foi de 7, 5 mil km² de corte raso, número 8,5% maior do que o registrado nos 12 meses anteriores. Para comparação sobre o tamanho que isso representa, vale mencionar que o Distrito Federal, por exemplo, tem quase 5,7 mil km² de extensão. Os dados foram divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) na última semana. Em relação ao ano de 2014, quando governo federal lançou o Plano para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAm), a medição revela que houve redução do desmatamento na ordem de 73%.

Nessa terça-feira (2), depois de a França anunciar que pode não confirmar a participação no acordo entre Mercosul e União Europeia se o Brasil não se comprometer com questões ambientais, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, declarou, durante coletiva de imprensa, que isso não é um impasse. O chanceler brasileiro argumentou que a questão ambiental já está prevista como requisito para o acordo entre os dois blocos e que esse tipo de declaração é voltado para os franceses.

Araújo ainda mencionou que alguns países-membros da União Europeia também têm problemas a serem resolvidos. “Muitos países europeus têm o uso de agrotóxicos por hectare maior do que o do Brasil, então é tipo de preocupação que nós também temos, que isso seja feito de maneira ambientalmente sustentável, vale lembrar que o grande tema de sanidade agropecuária surgiu na Europa, que é o tema da vaca-louca, esse tema não tem simplesmente uma mão só, tem duas mãos”, rebateu o ministro brasileiro.

A Amazônia Legal é composta pelos estados do Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. A maior quantidade de territórios desmatados foi registrada no Pará, 2.744 km² , o que significa 35% do total.

A taxa consolidada para 2018 foi obtida após o mapeamento de 215 cenas do satélite americano Landsat 8/OLI. Segundo o Inpe, desmatamento por corte raso é a remoção completa da cobertura florestal primária de uma região, independentemente da futura utilização dessas áreas. Geralmente o corte raso abre espaço para o início de uma nova cultura, como plantação ou pastagem.

O sistema de medição do Inpe tem sido criticado pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, desde o começo de sua gestão. Salles tem defendido em declarações à imprensa a contratação de uma empresa privada para a prestação desse serviço.

*Com informações da Radioagência Nacional

>>Projeto no Senado ameaça um terço da vegetação nativa do Brasil, aponta análise

>>Pressão internacional vai amenizar agressividade do governo contra meio ambiente, diz ex-constituinte Feldmann

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!