Senador propõe voto de censura contra assessor por gesto extremista

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) fez na noite desta quinta-feira (25) um requerimento para fazer um voto de censura contra Filipe Martins, assessor especial da Presidência da República para assuntos internacionais.

O auxiliar do presidente Jair Bolsonaro fez um gesto associado a grupos misóginos, racistas e homofóbicos. A solicitação precisa ser analisada pelos senadores. Leia o o requerimento de voto de censura na íntegra.

O gesto de "OK" feito por Filipe Martins durante uma sabatina do Senado tem muitos significados para diferentes grupos. Para os movimentos de extrema-direita, com quem o governo dialoga, é um símbolo de identificação. O gesto foi captado pela transmissão da TV Senado e já foi adotado por grupos supremacistas brancos ao redor do globo.

A cena, ocorrida durante uma sabatina de senadores com o ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, gerou imediata repercussão negativa nas redes sociais. Veja o momento em que Martins gesticula:

> Psol pede afastamento imediato de assessor de Bolsonaro

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG),  pediu que a Polícia Legislativa apure o caso. Randolfe Rodrigues (Rede-AP) foi além e pediu a expulsão de Martins da Casa.

Pacheco disse mais cedo em entrevista coletiva que o Senado "não é lugar de brincadeira".

"Queremos repudiar todo e qualquer ato racista ou obsceno, caso tenha sido essa a conotação", falou o mineiro. "Estávamos naquele momento buscando soluções junto a um trabalho muito aquém do Ministério das Relações Exteriores. Deve-se apurar esse fato, ouvindo inclusive o assessor", declarou o senador do DEM.

> Senadores imploram a Ernesto Araújo que ele se demita
> Sem foro, Pazuello passa a ser julgado pela Justiça Federal de Brasília

Continuar lendo