Senado deve votar empréstimo para folha de pagamento

Os senadores devem votar nesta semana a Medida Provisória 944/2020, que dá crédito para empresários pagarem a folha de pagamento de seus funcionários. O parecer aprovado obriga que as empresas beneficiadas mantenham o quadro de funcionários por 60 dias após receberem os créditos.

Em luto por morte de deputado, Câmara não terá sessão nesta segunda

No entanto, isso está vinculado ao nível de crédito contratado. Por exemplo, se 50% da folha de pagamento for financiada, o empresário pode demitir até metade dos empregados. Se o empresário usar o dinheiro para pagar 100% dos salários, não poderá haver demissões por dois meses.

O relator ampliou o rol de empresas beneficiadas pela medida. Pelo texto original do governo, o limite de rendimento anual era de R$ 10 milhões. Como o Congresso em Foco antecipou em 2 de junho, o relator elevou o teto para R$ 50 milhões.

O deputado também aumentou a duração da medida de dois para quatro meses. Essas mudanças representam um impacto fiscal extra de R$ 15,5 bilhões. Outra alteração feita pelo relator foi liberar a possibilidade de o crédito ser usado para pagar dívidas de acordos trabalhistas.

Outros projetos

Estão na pauta da sessão de terça-feira (7) o projeto que estende a validade das receitas médicas e odontológicas durante da pandemia (PL 848/2020) e o que garante o pagamento de indenização a profissionais de saúde que ficarem incapacitados para o trabalho depois de serem contaminados pelo novo coronavírus (PL 1826/2020).

Os dois projetos estavam na pauta da última sessão do Plenário, na quinta-feira (2), mas não chegaram a ser votados devido a problemas técnicos na comunicação com os senadores.

Extensão da validade de receitas

O PL 848/2020, do deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), estende, por prazo indeterminado, durante o estado de calamidade pública, a validade das receitas médicas e odontológicas sujeitas a prescrição e de uso contínuo. O relator, senador José Maranhão (MDB-PB), deu voto favorável com apenas uma emenda de redação (veja o relatório). O relator entendeu ser urgente aprovar a matéria e enviá-la à sanção presidencial.

A regra não é válida para medicamentos de uso controlado (tarja preta ou antibióticos). Ficam mantidos os procedimentos previstos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a emissão e a apresentação desse tipo de receituário.

Indenização a profissionais de saúde

O PL 1826/2020, de autoria dos deputados Reginaldo Lopes (PT-MG) e Fernanda Melchionna (Psol-RS), determina o pagamento, pela União, de compensação financeira de R$ 50 mil aos profissionais e trabalhadores de saúde incapacitados permanentemente para o trabalho após contaminação pela covid-19. A indenização se aplica também no caso de morte pela doença, sendo paga a dependentes, cônjuge ou herdeiros dos profissionais.

O relator no Senado, Otto Alencar (PSD-BA), apresentou relatório favorável, com algumas modificações (veja o relatório). Uma das mudanças refere-se à extensão da compensação financeira a trabalhadores de necrotérios, coveiros, fisioterapeutas, nutricionistas, assistentes sociais e trabalhadores dos laboratórios de testagem do coronavírus. Portanto, os incluiu entre os beneficiários.

Bolsonaro amplia vetos à lei das máscaras e desobriga uso em presídios

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!