Senado adia projetos de limite para juros e aumento na taxação de bancos

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), não vai colocar em pauta nesta semana matérias que são consideradas pautas-bomba para o governo, com alto impacto sobre o sistema financeiro. A decisão foi tomada após reunião de líderes nesta segunda-feira (18).

Foi adiada mais uma vez a análise do projeto de lei que estabelece um teto para a cobrança de juros nos cartões de crédito e cheque especial. O autor do PL, senador Alvaro Dias (Podemos-PR), confirmou ao Congresso em Foco que a nova promessa de colocar o tema em pauta é na semana que vem.

A iniciativa sofre resistência de bancos, que desejam cobrar livremente os juros. Inicialmente a matéria estava prevista para ser votada na última quinta-feira (14), mas a sessão foi cancelada. "Bancos pressionando e usando vários senadores", disse Alvaro Dias ao explicar os seguidos adiamentos.

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

>Bancos pressionam Senado e redução de juros sobre cartões deverá ser menor

O projeto que  aumenta de 20% para 50% a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), ou seja, a taxação, de bancos também não vai ser votado nesta semana.

O líder do PDT e autor do texto, senador Weverton Rocha (MA), disse ao site que vai ser marcada na sexta-feira (22) uma reunião de líderes para definir o dia que os projetos devem ser votados na próxima semana.

O pedetista também afirmou que foi marcada para a próxima quinta-feira (21) uma reunião do Congresso Nacional para analisar o projeto de lei do Congresso Nacional (PLN 8), que permite o governo furar a regra de ouro do orçamento.

>Congresso aprova aumento de até 25% para policiais do DF e três estados

> Cadastre-se e acesse de graça, por 30 dias, o melhor conteúdo político premium do país

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!