Bancos pressionam Senado e redução de juros sobre cartões deverá ser menor

O Senado deve votar nesta quinta-feira (14) um projeto de lei que estabelece um limite para a cobrança de juros em cartões de crédito e cheque especial. A iniciativa sofre resistência de bancos, que desejam cobrar livremente os juros.

O texto, de autoria do senador Alvaro Dias (Podemos-PR), inicialmente estabelecia um teto de 20% para a cobrança de juros entre março de 2020 e julho de 2021.

No entanto, para vencer as resistências ao projeto, o relatório do senador Lasier Martins (Podemos-RS) vai aumentar o limite para 31% e reduzir a vigência para dezembro 2020. As mudanças no texto foram confirmadas pelo Congresso em Foco com Alvaro Dias.

Atualização

Após a publicação dessa reportagem, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), decidiu cancelar a sessão desta quinta.

Leia a nota completa:

"A Presidência do Senado informa que a sessão deliberativa remota prevista para hoje, quinta-feira, 14 de maio, foi cancelada. Os senadores entenderam que havia necessidade de mais tempo para discussão dos projetos na pauta.

Fica mantida, desde logo, a Reunião de Líderes convocada para segunda-feira, 18/5, às 10h".

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

Instituições bancárias procuraram Alvaro para falar sobre a medida, mas ele conta que não aceitou o convite. “Os bancos pressionam. Ontem especialmente convidaram senadores para videoconferência. Agradeci o convite, mas tinha compromisso no horário. Não sei se ocorreu”.

>Plano Mansueto será discutido após pandemia, diz secretário do Tesouro

>Armínio Fraga estima queda de 8% do PIB brasileiro em 2020

O líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM), crê que a matéria será aprovada nesta quinta. Juntos, o MDB e o Podemos têm 23 senadores. Se aprovada, a proposta seguirá para a Câmara dos Deputados.

A medida faz parte do pacote de iniciativas do Congresso para amenizar a crise econômica desencadeada pela pandemia de covid-19.

Segundo o Banco Central, o juro médio do cheque especial ficou em 130% ao ano para pessoas físicas em março. No caso do cartão de crédito, a taxa média do rotativo regular (quando há pelo menos o pagamento da fatura mínima) ficou em 296,1% ao ano.

> Cadastre-se e acesse de graça, por 30 dias, o melhor conteúdo político premium do país

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!