Rede conta com vitórias na Justiça Eleitoral para aumentar bancada

Apesar de contar com apenas uma deputada na Câmara, a Rede Sustentabilidade prevê um crescimento ainda para 2020. Segundo um membro da cúpula do partido, alguns dos deputados que entraram com ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para sair de seus partidos sem perderem os mandatos, pretendem migrar para a Rede. A previsão é que ao menos quatro deputados migrem, deixando o partido com cinco congressistas na Câmara.

> Rede desiste de convite a Marta após insistência em aliança com PT

No PDT, os deputados Marlon Santos (RS), Flávio Nogueira (PI), Tábata Amaral (SP) e Gil Cutrim (MA) entraram com ações. No PSB os deputados Rodrigo Coelho (SC), Jefferson Campos (SP) e Felipe Rigoni (ES) estão pleiteando o direito na Justiça após se sentirem perseguidos por seus partidos após a votação favorável a reforma da Previdência.

A Rede aposta no desenrolar dessas ações no TSE para um crescimento rápido. A sigla elegeu somente uma deputada federal em 2018, Joenia Wapichana (Rede-RR), a primeira deputada federal indígena do Brasil.

A sigla perdeu o acesso ao Fundo Partidário e ao tempo de TV, devido ao baixo desempenho nas eleições de 2018. A cláusula de barreira que estabeleceu novas normas de acesso dos partidos políticos aos recursos. Segundo o TSE, "a cláusula define que os partidos que não atingirem no mínimo, 1,5% dos votos válidos para deputado federal, distribuídos em pelo menos um terço das unidades da Federação, com um mínimo de 1% dos votos válidos em cada uma delas; ou tiverem elegido pelo menos nove deputados distribuídos em pelo menos um terço dos estados", perdem o direito de ter acesso as benesses.

Apesar dessa dificuldade, membros da cúpula diretora do partido estão otimistas com o possível crescimento e acreditam que, junto com a campanha municipal de 2020, a sigla irá crescer.

Frente ampla

A Rede Sustentabilidade defende uma "frente ampla democrática" para as principais cidades do país nas eleições municipais deste ano. O partido de Marina Silva, pretende compor uma chapa progressista com PV, PSB, Solidariedade e PDT. A Rede acredita ser importante conquistar espaço agora, pois, segundo o entendimento da cúpula do partido, estas eleições podem ter muito peso em 2022.

> Partidos da direita e do centro formam novo bloco com quase 70% da Câmara

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!