Rede desiste de convite a Marta após insistência em aliança com PT

A Rede Sustentabilidade desistiu de filiar a ex-prefeita Marta Suplicy, que pretende disputar o pleito para a prefeitura de São Paulo em 2020. Marta tem insistido em compor chapa com o PT desde que recebeu uma pesquisa mostrando que essa chapa teria grandes chances de ser a vencedora, como mostrou o Congresso em Foco.

> "Câmara não será hostil aos indígenas", promete Maia a Raoni

Em reunião nesta terça de manhã (18), a cúpula do partido decidiu, após muito diálogo, que não irá compactuar com a "polarização que o PT quer fazer com Jair Bolsonaro, isso só alimenta esses extremos e quem perde é o Brasil", revelou um membro da diretoria do partido ao site.

A decisão aconteceu após os membros apresentarem suas divergências, mas não foi necessário votação. "Foi uma decisão tranquila, apesar das opiniões contrárias", afirmou uma das pessoas que participou da reunião.

"A Rede entende que é importante os partidos progressistas se unirem para combater o autoritarismo do Bolsodória, mas isso não acontece com o PT", declarou. Bolsodória é o termo que foi utilizado pelo atual governador de São Paulo, João Doria (PSDB) durante a campanha de 2018.

Por isso, o partido de Marina Silva, pretende compor uma chapa progressista com PV, PSB e PDT. A Rede acredita ser importante conquistar espaço já nestas eleições municipais, pois, segundo o entendimento da cúpula do partido, estas eleições podem ter muito peso em 2022.

O partido já estava com as conversas bem adiantadas com a ex-prefeita de São Paulo, que, após receber uma pesquisa que demonstra que em caso de aliança com o PT poderia ser vencedora na capital paulista, se inclinou em fechar com Fernando Haddad de cabeça de chapa e ela como vice. A Rede, entretanto, não aceita fechar acordo com o partido "bolsonarista de vermelho", como declarou um membro da diretoria do partido ao Congresso em Foco.

O site também havia adiantado que Marta busca costurar uma "frente ampla democrática" no estado de São Paulo, mas PDT, PSB, Rede e Solidariedade não querem unir-se com o PT e isso poderia fazer esta frente ruir, como aconteceu agora.

>Bolsonaro ataca jornalista da Folha com comentários sexuais

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!