Dono da maior fortuna do Senado será relator da reforma da Previdência

Empresário por vocação e liberal por convicção, Tasso Jereissati (PSDB-CE) é um dos mais influentes políticos tucanos em Brasília. Ex-governador do Ceará, cargo que ocupou por três mandatos (1987/1990, 1995/1998 e 1999/2002), Tasso assume a relatoria da reforma da Previdência no Senado com a missão de preservar o texto da proposta de emenda à Constituição (PEC) aprovada pela Câmara dos Deputados .

> Participe da escolha dos melhores parlamentares do país

Com mais de R$ 389 milhões em bens declarados, Tasso é, dentre os 81 senadores, o dono da maior fortuna informada à Justiça eleitoral. Foi um dos fundadores do Grupo Jereissati, responsável por uma das maiores redes de shopping centers do país, o Iguatemi.

O tucano anunciou que vai trabalhar pela manutenção da quase totalidade da matéria aprovada pela Câmara. Seu desejo é aprovar o "coração" da reforma o "mais rápido possível". Tasso deixará a reinclusão dos estados e municípios para uma proposta de emenda constitucional (PEC) que vem sendo chamada no Congresso de paralela.

Na visão de Tasso, o coração da reforma é composto pelos principais pontos do texto apreciado pelos deputados, como fixação de idade mínima de aposentadoria, regras de transição, unificação dos sistemas público e privado e fim dos privilégios de várias categorias.

Eleito em 2014, Tasso tem mandato até 31 de janeiro de 2023 e está entre os congressistas mais atuantes no debate de temas econômicos. Foi autor de propostas relativas a reforma tributária, Lei de Falências, parcerias público-privadas (PPPs), normas orçamentárias, combate às desigualdades regionais e gestão de empresas estatais, entre outras.

Sua escolha como relator atende a um anseio da maioria do Senado, que pedia uma voz experiente e com boa interlocução tanto com a esquerda quanto com a direita. Considerado um político agregador, Tasso promete atuar para reduzir as arestas, aprovando as mudanças nas regras de aposentadoria em, no máximo, dois meses.

Influência nacional

Um sinal da influência de Tasso Jereissati no cenário político e econômico é que ele foi presidente nacional do PSDB em três ocasiões diferentes. No seu primeiro mandato à frente do partido, na década de 1990, exerceu importante papel na consolidação da candidatura de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 27 de maio de 2011, assumiu a presidência nacional do Instituto Teotônio Vilela, órgão de formação política do PSDB. Com a eleição do ex-ministro Bruno Araújo como presidente nacional da legenda, acabou perdendo espaço no partido. Bruno é ligado ao governador de São Paulo, João Doria, que se apresenta como renovação ante as lideranças históricas do tucanato.

De família empresarial e política, Tasso, que se formou em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas, é filho do ex-senador Carlos Jereissati e de Maria de Lourdes Ribeiro Jereissati. Já  presidiu, entre outros órgãos legislativos, a poderosa Comissão de  Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.

Um dos principais empresários do Ceará, Tasso foi acusado em 2009 pelo jornal Folha de S. Paulo de  usar indevidamente verbas destinadas à compra de passagens aéreas para fretar jatinhos. Em nota enviada ao Congresso em Foco, o senador afirmou: "Por ter utilizado aeronave particular, nunca usei verbas para passagens a que tinha direito. Em determinada oportunidade, exatamente por não haver previsão expressa a esse respeito, oficiei à direção da Casa sobre a possibilidade do uso desse saldo não utilizado para o fretamento de uma aeronave, tendo sido oficialmente autorizado a fazê-lo".

> Previdência: Alexandre Frota se abstém e é o único do PSL a não votar a favor

> Deputado processado pelo PSB muda voto no segundo turno da Previdência

>Previdência: veja o voto de cada deputado no segundo turno

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!