Justiça manda Kajuru tirar do ar vídeo em que chama Vanderlan de “coveiro”

A disputa pela prefeitura de Goiânia está gerando mais um episódio de intrigas e desentendimentos na relação já conturbada dos senadores Vanderlan Cardoso (PSD) e Jorge Kajuru (Cidadania), ambos eleitos por Goiás. Os dois trocam acusações desde a campanha eleitoral de 2018. Na eleição municipal  deste ano, Vanderlan disputa o segundo turno com ex-governador Maguito Vilela (MDB), que está internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, desde 27 de outubro, com complicações da covid-19.

Túlio Gadelha é desmentido por chefe de gabinete e fica em situação delicada no PDT

A Justiça mandou Kajuru tirar do ar um vídeo publicado há cerca de cinco dias em que chama Vanderlan de “coveiro” e o acusa de estar torcendo pela morte do oponente. “O Maguito Vilela tem duas dificuldades. A primeira, em São Paulo, ele luta pelo sua vida, porém em estado estável e não desesperador. E em Goiânia, politicamente, no segundo turno ele enfrenta um ser podre, do diabo”, diz Kajuru.

“O Vanderlan é um coveiro. Ele vive 24 horas torcendo pela morte de Maguito Vilela”, continua Kajuru. Em seguida, ele exibe trecho de uma entrevista de Vanderlan na qual o candidato fala existir uma farsa em torno da saúde de Maguito. “Por que tem tanto medo de dizer: ‘olha, a situação real é essa, ele tem histórico familiar, ele perdeu duas irmãs agora, esses dias’?”, questiona Vanderlan.

Em agosto deste ano, Maguito perdeu duas irmãs para a covid-19 em um intervalo de menos de dez dias. Elas tinham 82 e 76 anos. O postulante do MDB foi diagnosticado com a covid-19 em 20 de outubro e, após piora no quadro respiratório, ficou entubado entre 30 de outubro e 8 de novembro. No dia 15, precisou ser entubado novamente. Ele tem 71 anos.

O senador Vanderlan não respondeu diretamente às acusações disparadas por Kajuru, mas acionou a Justiça para retirar o vídeo do ar por considerá-lo ofensivo. No domingo (22) o juiz Leonardo Aprigio Chaves determinou que as plataformas WhatsApp, Facebook e Google tirassem o vídeo do ar dentro do prazo de 24 horas, sob pena de multa diária de R$ 5 mil.

O juiz considerou que “as postagens impugnadas trazem conteúdo que ultrapassa os limites da liberdade individual de expressão do Representado, infringindo, inclusive, a norma do art. 242 do Código Eleitoral”. O magistrado também esclareceu que a legislação eleitoral não tem por objetivo proibir ou coibir a liberdade de informação, mas permite que se evitem abusos. “Portanto, a propaganda na internet, seja positiva ou negativa, também sofre restrições, quando inobservada a norma”.

Veja a íntegra da decisão judicial:

Ontem (23), Kajuru recorreu da decisão, que ainda não foi analisada pelo juiz relator. O vídeo continua no ar e o senador afirmou que não pretende retirá-lo. “Não vou tirar do ar, vai ficar no ar. É um direito meu. E além disso, estou fazendo novos vídeos”, disse o senador ao Congresso em Foco.

Kajuru classificou a decisão judicial como “absurda” e citou a imunidade parlamentar prevista na Constituição. “Existe o artigo 53 da Constituição, que dá a mim todo o direito, não só pela imunidade parlamentar, o direito inviolável de falar o que eu quiser”, defendeu.

Veja a íntegra do mandado de segurança:

O senador do Cidadania, que se recupera de uma cirurgia ocular, chamou o colega de “falso, dissimulado e mau-caráter” e disse que a campanha de Vanderlan foi impactada pelo vídeo. “Como bombou, viralizou, ele entende que isso foi motivo definitivo para ele cair”, disse Kajuru.

“Eu não pedi votos. Eu só entrei na eleição porque eu achei isso de um baixo nível”, completou ele. Sobre chance de vitória de Vanderlan, Kajuru disse: “Ele não tem nenhuma chance de ganhar. A chance de ele ganhar a prefeitura de Goiânia é a mesma que eu tenho de ganhar o Vaticano. Se ele ganhar, eu viro transexual”.

O senador Vanderlan foi procurado pela reportagem, mas preferiu não se manifestar sobre o caso.

Briga antiga

Desde a campanha eleitoral de 2018 que elegeu os dois senadores, as trocas de acusações entre Kajuru e Vanderlan são recorrentes. Em um áudio após a eleição, Kajuru chamou Vanderlan de “corrupto, gângster, ladrão e assassino”, motivo pelo qual chegou a ser processado na justiça.

Meses depois, Kajuru fez um pedido de desculpas público a Vanderlan no Plenário do Senado. “Eis que eu cometi talvez uma das maiores injustiças da minha vida contra um homem. E quando eu cometo eu volto atrás. Rezei, minha esposa foi fundamental nisso, em cada noite. (...) Fui pego, de uma forma covarde, até por documentos falsos, informações malditas contra Vossa Excelência e eu acabei lhe ofendendo de uma forma que eu talvez vou demorar a me perdoar”.

Em contrapartida, Vanderlan não costuma responder aos ataques diretos do colega e tende a adotar tom mais discreto.

Condições da disputa

No segundo turno, a campanha de Vanderlan, do PSD, agregou o apoio do Cidadania, além das outras siglas que já formam a chapa (PTB, PSC, PP, PMN, Avante e DEM). A principal figura local que respalda sua candidatura é o governador Ronaldo Caiado (DEM).

Maguito, por sua vez, conta com os apoios de PMB, PTC, Patriota, Republicanos e PCdoB. Do mesmo partido, o atual prefeito Iris Rezende (MDB), declarou apoio a Maguito no segundo turno, apesar de ter dito inicialmente que ficaria neutro na disputa. A candidata à prefeitura pelo PT, Adriana Accorsi, também declarou voto em Maguito e chamou o adversário de desumano por usar a doença do adversário para atacá-lo.

No primeiro turno, Maguito recebeu 217.194 votos, o que representa 36,02% dos votos válidos. Já Vanderlan obteve 148.739 votos, totalizando 24,67%. Ex-governador e ex-senador, o emedebista está entubado desde o dia 15.

Diagnosticado com covid-19 há mais de um mês, Maguito foi entubado e sedado no último dia 15 na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital Albert Einstein, em São Paulo. Ontem, boletim médico do hospital informou uma melhora do paciente, mas ainda não há previsão de alta.

Diante da impossibilidade de Maguito fazer campanha neste segundo turno, a maior parte das propagandas do emedebista se concentra nas redes sociais, que seguem sendo atualizadas pela equipe.

Segundo pesquisa Ibope divulgada na noite desta terça-feira (24), Maguito Vilela tem 54% das intenções de voto e Vanderlan Cardoso tem 31%. Brancos e nulos somam 11% e não souberam ou não responderam, 3%. Considerando apenas os votos válidos, excluídos os brancos, nulos e eleitores indecisos, Maguito tem 63% e Vanderlan Cardoso, 37%

Continuar lendo